"A Sangue Frio" tem Benicio del Toro

Há meses com o título na gaveta, a distribuidora Paris Filmes não poderia ter encontrado melhor momento para lançar o policial A Sangue Frio. Premiado no último domingo com o Oscar de melhor ator coadjuvante por Traffic, o porto-riquenho Benicio Del Toro é um dos protagonistas desse filme com ambições assumidamente tarantinescas.Pontuado por reviravoltas irônicas e situações absurdas e conduzido por dois bandidos com atitude, A Sangue Frio garante momentos de violência e estilismo explícitos. Christopher McQuarrie, que estréia na direção após levar o Oscar de melhor roteiro por Os Suspeitos, parece influenciado por títulos como Cães de Aluguel e Pulp Fiction.Benicio Del Toro, com as mesmas olheiras profundas de Traffic, encarna Mr. Longbaugh, um fora-da-lei sempre em busca de novas oportunidades no mundo do crime. Seu parceiro, Mr. Parker (Ryan Phillippe), é outro que ganha a vida roubando, matando, mutilando e, quando a coisa aperta, doando sêmen em busca de uns trocados.É justamente em sala de espera de hospital, folheando páginas de revista masculina, que a dupla começa a planejar o próximo delito. Eles ouvem a história de Robin (Juliette Lewis), uma jovem que alugou a barriga para casal de milionários. E poucos minutos depois os bandidos já estão esperando a futura mamãe na clínica de obstetrícia. Nada é o que pareceO plano é simples: seqüestrar a grávida e cobrar milhões de dólares de resgate. Só que, como lembra Parker, um plano não passa de uma lista de coisas que nunca acontecem´´. A dupla até consegue raptar a jovem, após sangrento tiroteiro com os capangas do milionário, mas a situação acaba fora de controle.Graças ao roteiro intrincado, também assinado por McQuarrie, nada é o que parece ser. O espectador é constantemente surpreso por revelações que complicam ainda mais a história. Vários personagens secundários, como um ginecologista (Dylan Kussman), um guarda-costa impecavelmente vestido (Taye Diggs) e um capanga vivido por James Caan, mostram aos poucos que estão mais envolvidos na teia do que gostariam.Enquanto os personagens afundam, a platéia saboreia os diálogos espirituosos que saem da boca dos protagonistas daqueles que agradam mesmo sem fazer a menor força para tal. Quando perguntam a Longbaugh se ele é o cabeça da operação seqüestro, o sujeito logo esclarece: Essa missão não é do tipo que requer cérebro´´, diz, sem imaginar o tamanho da encrenca em que acaba de se meter.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.