Divulgação
Divulgação

A primeira biografia francesa de Godard

'God Art' foi escrita sem entrevistas com o diretor, que não vai fazer nada para impedir sua circulação

27 de maio de 2010 | 05h00

Luiz Carlos Merten - O Estado de S. Paulo

 

PARIS - Jean-Luc Godard era a grande presença anunciada da mostra Un Certain Regard, no Festival de Cannes. No final, o próprio Godard cancelou sua ida à Croisette. Justificou a decisão apelando para um problema "grego" - e todo mundo ficou sem entender se era solidariedade pelo povo da Grécia, que vive seu inferno econômico. Godard talvez não tenha ido, simplesmente por estar insatisfeito com seu filme. Está na imprensa francesa: ele remonta atualmente a obra que mostrou em Cannes, Film Socialisme, com Daniel Cohn-Bendit.

 

Há também esse filme sobre Godard e Truffaut, Les Deux de La Vague (no original), que estreia amanhã no Brasil. E, ainda, a monumental biografia de Godard, por Antoine de Baecque, que saiu agora na França pela editora Grasset & Fasquelle ( 25). São 935 páginas. Na capa, o nome do diretor dividido em duas linhas: God e Ard, de certo reminiscência do God-Art de Andy Warhol.

 

E não se trata de "uma" biografia. É "La Biographie", a primeira de Godard em língua francesa. Saíram duas em inglês - por Richard Brody e Colm McCabe -, ambas desautorizadas pelo biografado. Godard também não gostou da biografia de Antoine de Baecque, mas já anunciou que não vai fazer nada para impedir sua circulação. Numa entrevista concedida à revista Les Inrockuptibles, confessa que "percorreu", não leu, o livro, e se aborreceu por sua companheira, Anne-Marie Miéville. "Existe muita coisa falsa (no livro)", diz Godard. E ele também se aborreceu porque integrantes de sua família colaboraram com Baecque, cedendo documentos. Sentiu-se traído.

 

Aproveitando a estreia de Le Deux de La Vague - e a entrevista a Les Inrockuptibles -, Godard pode ter começado sob o signo de Truffaut, que lhe forneceu a história de Acossado, mas François nunca o perdoou por haver dito, certa vez, que considerava seus filmes nulos. Truffaut sofria, segundo Godard, porque não podia dizer a mesma coisa, que os filmes de Jean-Luc eram nulos. Ele realmente considerava os filmes de Truffaut nulos? "Não mais do que os de Claude (Chabrol)." E fustiga: "Não eram os filmes com os quais sonhávamos (ao iniciar a vague)."

 

Baecque conta, na introdução, que a biografia de Godard era a tarefa insana que ele prometia a si mesmo, um dia, encarar. Co-autor, com Serge Toubiana, da biografia do outro da "onda" - François Truffaut -, ele explica seu trabalho "jornalístico". Baecque não se encontrou com Godard para o livro. Pesquisou toneladas de textos, análises e entrevistas, às quais somou horas de entrevistas com familiares e colaboradores. O cinéfilo deve se lembrar que Truffaut foi salvo do reformatório por seu amor pelo cinema (e a dedicação de André Bazin). O garoto Godard roubava.

 

Antes, é bom falar da família. O ramo paterno, Godard, era pobre (e suíço). O materno, Monod, pertencia à alta burguesia francesa. O avô foi amigo de Paul Valèry e executor do testamento do poeta. Garoto, sem dinheiro, Jean-Luc se apropriou de itens - livros - do acervo de Valèry, que repassou a colecionadores. Descoberto, virou o pária da família e arrastou consigo o pai. Separado da mãe de Godard, ele foi proibido - com o filho - de ir ao enterro, quando ela morreu em consequência de um acidente (caiu e bateu com a cabeça). Quando começou a escrever em Cahiers du Cinema, Godard também assaltou o caixa da revista.

 

Guevara. Ele sempre contestou a propriedade, a intelectual, inclusive. Gosta de dizer que não existe direito de autor - um autor tem somente obrigações. Film Socialisme surge para resgatar a Grécia de sua crise. Filosofia, democracia, tragédia, tudo veio de lá. Se fosse para pagar royalties, o país estaria salvo. Muito jovem, Godard viajou pela América Latina, fazendo - mais ou menos - o mesmo percurso de Ernesto Guevara, antes de virar o Che. Com a diferença de que começou pelos EUA (Nova York, em 1949). Esteve no Peru, no Chile. Hospedou-se numa pensão em Copacabana. A confrontação com a miséria latina foi decisiva em sua formação. Não foi um bom estudante. E era suicida. Eric Rohmer conta que ele dava de cabeça contra muros e paredes (literalmente).

 

As mulheres de Godard. A relação com Anna Karina, celebrada em tantos filmes que fazem parte da história do cinema, teve momentos sinistros. Viveram às turras, tentaram (ambos) se matar. Ele demitiu Isabelle Adjani e fez de Maruscha Detmers a sua Carmem. Descobriu Myriam Roussel durante a filmagem de Passion, em 1982. Escreveu para ela roteiro inspirado na relação de Freud com Dora, sua primeira paciente. Depois, outro sobre incesto. Finalmente, fez Je Vous Salue, Marie, que produziu escândalo.

 

A vida íntima, familiar e afetiva é um dos eixos do livro. O outro trata do artista. Um revolucionário do cinema como Godard dificilmente poderia reunir a unanimidade da crítica. Viver a Vida e O Desprezo, talvez os melhores filmes do autor, foram mal recebidos. Baecque enumera fases (da vida e da carreira) - disseca o Godard militante do grupo Dziga Vertov. Uma vida como a de Godard não poderia ser resumida. E o homem é um mito. Antoine de Baecque conseguiu o mais difícil. Dar conta dessa complexidade - e não é que respeite o mito, mas Godard sai maior de seu livro.

Tudo o que sabemos sobre:
Godardbiografia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.