"A Passagem" traz a estrela de "King Kong"

Naomi Watts virou estrela de primeira grandeza há algumas semanas, quando estreou como a mocinha do blockbuster King Kong. Já em A Passagem, seu talento é subaproveitado e o foco da trama acaba recaindo sobre outros personagens. Dirigido por Marc Foster (A Última Ceia e Em Busca da Terra do Nunca), A Passagem é um drama sobre um psicólogo que trabalha em uma universidade norte-americana de prestígio. Sam Foster, interpretado por Ewan McGregor, recebe a visita de um de seus pacientes, que o procura para revelar que planeja cometer suicídio em breve. Aos poucos, Sam vai desvendando a mente do rapaz (Ryan Gosling), ao mesmo tempo em que ele começa a fazer estranhas e assombrosas profecias que terminam por se realizar em seguida. Neste momento, o tempo e o espaço se fundem num elemento que embaça a mente dos protagonistas. É quando entra em cena sua namorada Lila (Naomi), uma artista que já foi sua paciente. Em certo momento do filme, o personagem de McGregor diz: "eu não sei mais o que é real". Os espectadores vão concordar com ele, principalmente no final. A imprensa americana já despejou toneladas de críticas ao filme, que tem elenco e produtores de primeira e uma história para lá de mal resolvida. Enquanto McGregor e Gosling acrescentam pouca coisa ao filme, Naomi Watts está ótima, mesmo interpretando um papel pequeno. Bem menor, aliás, que o gorila gigante que a levou para o alto do Empire State Building. E para o topo da fama em Hollywood.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.