A música de Gilberto Mendes em filme

Este é um ano bastante importantepara a música nova brasileira. Um de seus maiores defensores - ecriadores -, o santista Gilberto Mendes completa em outubro 80anos, poucos meses após o Festival Música Nova de Santos, criadopor ele, completar 40 anos de existência e resistência. Todaessa trajetória vai ser o tema de um documentário que seráassinado pelo filho do compositor, o publicitário CarlosMendes."Percebi que, apesar de sua importância, ninguém conheciadireito meu pai. Resolvi então, já que tinha a faca - aexperiência com a câmera - e o queijo - o parentesco - na mão,registrar sua vida e sua obra em um documentário e entregá-lo àsociedade", diz Carlos Mendes, da Panaroma Filmes.O termo "música nova" é usado para definir a composiçãoerudita de vanguarda da segunda metade do século 20. Essadefinição surgiu no célebre Curso de Férias da Música Nova,realizado em Darmstadt, na Alemanha, onde nomes como PierreBoulez, Stockhausen e Luciano Berio apresentavam-se ecompartilhavam suas idéias e conceitos a respeito da música. Lá,também, esteve Gilberto Mendes, após formar-se no ConservatórioMusical de Santos. Foi em 1962, mesmo ano no qual fundou oFestival Música Nova de Santos e um ano antes de assinar, aolado de Willy Correa de Oliveira, Damiano Cozzela, RogérioDuprat e Júlio Medaglia, o "Manifesto Música Nova".Obras como o "antijingle" (na definição de Carlos Mendes)Beba Coca-Cola, obra coral a capela com ação teatral sobretexto de Décio Pignatari estreada em 1968 pelo Madrigal Ars Viva, ou Santos Football Music, melhor obra experimental de 1974segundo a Associação Paulista de Críticos de Artes (APCA),fizeram história dentro do País. Mas foi lá fora que GilbertoMendes conquistou o reconhecimento e o apoio que aqui lhe foram,em grande número de vezes, negados. "É triste saber, porexemplo, que a editora de suas obras é belga, que é precisoalguém fora do País editar seu trabalho", diz Mendes.Ele lecionou nas universidades de Wisconsin e do Texas, suamúsica já foi apresentada em Nova York, no Carnegie Hall, naUniversidade de Long Island, onde ele também deu umamasterclass. Atualmente, quatro teses de mestrado estão sendoescritas sobre ele - uma nos Estados Unidos. Dez discos comobras suas já foram lançados na Bélgica, Itália, Holanda,França. No ano passado, Rimsky, peça em homenagem ao compositorRimsky-Korsakov, estreou no mais importante festival de músicarusso, o da Primavera de São Petersburgo.Identificação - Mendes afirma que quer fazer um documentário que, não apenas no tema, mas também na linguagem, aproxime-se daobra do pai. "Minha intenção é que o documentário tenha amodernidade da música dele." Outra preocupação está emregistrar no filme a execução de trechos de obras, a fim detornar o documentário também em "arquivo e fonte de pesquisas"para novos compositores brasileiros. "Houve-se muito falar devárias obras dele, como Beba Coca-Cola, mas o que de fato sesabe sobre a produção dele?", pergunta. A intenção, segundo aapresentação do projeto, é gravar Santos Football Music, OObjeto Musical, Beba Coca-Cola, Asthmatour, ÓperaAberta, Ulysses em Copacabana Surfing with James Joyce andDorothy Lamour e Poema sobre um Quadro de OrlandoMarcucci.São obras que, na variedade de inspiração, de instrumentosnecessários e no flerte com outras artes como o teatro, aliteratura e as artes plásticas - uma delas exige até a presençade halterofilistas e pessoas aplaudindo -, mostram o espírito ea orientação do trabaho de Gilberto Mendes.Estarão presentes, também, depoimentos de artistas com que ocompositor trabalhou e outros que tiveram nele a inspiração paraseus trabalhos: H.J. Koellreutter, Almeida Prado, LívioTragtenberg, Olivier Toni, John Neschling, Júlio Medaglia,Augusto de Campos, Haroldo de Campos, Décio Pignatari, GastãoFrazão, entre outros.O projeto do documentário está inscrito no Ministério da Culturae prevê para os patrocinadores desconto de 100% no Imposto deRenda do valor investido. Além disso, o investidor é dono de 25%da prensagem inicial do DVD e, entre outras coisas, sua marcaaparecerá durante a exibição do documentário na TV Cultura.O valor total do orçamento do vídeo, intitulado A OdisséiaMusical de Gilberto Mendes (título inspirado em livro docompositor, lançado pela Editora da USP), é R$ 198.228,00. Serãofeitos 2 mil exemplares do DVD que, além da parcela dopatrocinador, serão vendidos e distribuídos em escolas ebibliotecas do Brasil e da Europa. Haverá também duas cópias emBetacam, uma para exibição na TV Cultura e outra paraestréia em cinemas de Santos em São Paulo.Pôr-do-sol - "Quero mostrar a visão integrada de meu pai comrelação a sua vida e a música, sua capacidade de ouvir todas astendências musicais, desde Boulez até Richard Rodgers, passandopela bossa nova. Sua integração com outras artes, ele que é umapaixonado pelo cinema, por exemplo." Aliás, Gilberto Mendesacabou de assinar a sua primeira trilha sonora de um filme, ODono do Mar, inspirado no livro de José Sarney, feito porOdorico Mendes, também seu filho. "Filmamos a gravação e vamosincluí-la no documentário."O vídeo, assim, quer mostrar, enfim, a paixão de Mendes pelamúsica, "a simplicidade, o desprendimento dele com relação aela. "Ele fez tudo pela música, mas nunca foi pretensioso comrelação a ela." O que parece ser reflexo de sua atitude perantea vida. "Nunca vou me esquecer de um dia em que falava com elepelo telefone e ele disse que precisava desligar porque ´o solia se pôr´." Os interessados em participar do projeto podementrar em contato com Carlos Mendes pelo telefone (0--11)5572-6679.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.