Chris Pizzello/AP
Chris Pizzello/AP

A mulher que coroou Michael Jackson

Foi a atriz quem primeiro se referiu a Michael como o 'rei do pop' - em 1989

Gabriel Pinheiro - Estadão.com.br,

23 de março de 2011 | 16h25

Reza a lenda que assim que Michael Jackson soube que Elizabeth Taylor estava na plateia de um show que fazia nos Estados Unidos, na década de 1980, pediu para chamá-la nos bastidores. Era o começo de uma relação que marcaria a vida e a carreira de ambos pelas próximas três décadas.

 

Michael nunca escondeu sua fascinação pelas estrelas da época de ouro de Hollywood. E quem melhor que Liz Taylor para levar o cantor ao único terreno no qual sua carreira não avançou?

 

Foi a atriz quem primeiro se referiu a Michael como o "rei do pop" - em 1989, Liz usou o termo ao entregar um prêmio para o amigo. Estava, enfim, coroado.

 

Em Neverland, uma estátua da atriz vivia iluminada com luzinhas coloridas. E foi no lendário rancho do cantor em Encino, na Califórnia, que a atriz se casou pela última vez - com Larry Fortensky, em 1991. Naturalmente, o amigo foi padrinho.

 

A relação, porém, só viu seu auge quando Michael foi acusado de abuso sexual pela primeira vez, no final de 1991. Durante o exaustivo processo - que acabaria viciando-o nos analgésicos que mais tarde provocaram sua morte -, Liz esteve lá. Não poupou declarações públicas de apoio ao astro, o incentivou a procurar uma clínica de reabilitação (para livrá-lo do vício em remédios) e se tornou presença constante entre a equipe de empresários e advogados que tentavam reconstruir a carreira do cantor.

 

Depois do casamento de Michael com Lisa Marie Presley, em 1994, a atriz foi pouco vista com o astro. Na época, a imprensa dava conta de que ela se opunha à união - algo que nunca foi confirmado.

 

Ainda nos últimos anos de vida de Michael, Elizabeth esteve presente. Em 2001, foi ao Madison Square Garden, em Nova York, assistir a um show que comemorava os 30 anos de carreira do rei do pop. Quando o cantor morreu, em 2009, ela recusou o convite da família Jackson para participar do velório - que classificou como "circo."

 

No lançamento de 'This Is It', o filme com cenas do ensaio para a turnê de Michael que nunca aconteceu, fez sua última declaração pública sobre o amigo. "Eu amei o gênio durante a minha vida. Deus foi tão bom para mim. Vou amar Michael para sempre", escreveu Liz em seu perfil no Twitter.

 

Hoje certamente seria um dia triste para Michael.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.