Turner Classic Movies
Turner Classic Movies

A moto reinventa-se com força na ficção nacional

Em novelas e séries, os autores recuperam a tradição de obras míticas como ‘O Selvagem’ e ‘Sem Destino’

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2018 | 11h37

Os mais velhos vão lembrar que, no biênio 1976/77, Ney Latorraca e Ricardo Blat levavam suas gatinhas nas lambretas de Estúpido Cupido. Portanto, não se pode dizer que o Motoqueiro Vermelho seja novidade como personagem-chave de Orgulho e Paixão, mas a novela de época tem permitido a Malvino Salvador, como o Coronel Brandão, marcar presença com doses de heroísmo e humor.

Salvador está no palco de São Paulo, neste final de semana, como o Boca de Ouro da admirável montagem de Gabriel Villela para o texto de Nelson Rodrigues. Quanto às motos, coexistem atualmente com cavalos e pick-ups no sertão de Onde Nascem os Fortes, a série de George Moura e José Luiz Villamarim que está instaurando um novo padrão de qualidade no formato, basta ver as duas cenas de diálogos entre Ramiro e Ramirinho, Fábio Assumpção e Jesuíta Barbosa, que eletrizaram a telinha nesta semana.

No cinema, Cauã Reymond tem montado no lombo de motocicletas em aventuras tão estilizadas quanto a de Reza a Lenda. Ou seja, embora não seja novidade, cine e teledramaturgia têm se apropriado de forma criativa das motos, como personagens. Isso remete a uma tradição que talvez venha do jovem Marlon Brando de O Selvagem, de Laslo Benedek.

Nos anos 1960 e 70, quando as mudanças do mundo derrubaram velhos códigos de censura em Hollywood, cair na estrada virou sinônimo de contestação em Sem Destino, de Dennis Hopper, e Electra Glide in Blue, de James William Guercio. Com O Selvagem da Motocicleta, de Francis Ford Coppola, no pós-modernismo, a moto consolidou-se como objeto de desejo. Um fetiche erotizado, ou um regalo psicanalítico para estimular fantasias de cinéfilos.


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.