A morte do diretor que divertia Paulo Emílio

Nascido em Perdizes, em 1927, opaulista Carlos Alberto de Souza Barros mudou-se para a capitalpaulista para estudar economia. Descobriu que seu interesse eraoutro - cinema. Fez, em 1956, em parceria com César Nemolo Jr.,um filme que ganhou os principais prêmios Saci do ano seguinte.O Saci era o prêmio que o jornal O Estado de S. Pauloconferia aos melhores de cada temporada. O jornal premiava aprodução nacional e também filmes estrangeiros. Souza Barrosganhou a sua enxurrada de Sacis (cinco) por Osso, Amor ePapagaios. No domingo, ele morreu, aos 75 anos. Foienterrado na segunda-feira. Paulo Emílio Salles Gomes escreveu diversos textos noSuplemento Literário do Estado destacando a importância deOsso, Amor e Papagaios. O crítico não era um admiradorincondicional da obra, mas valorizava os diretores pelo empenhoem realizar um tipo de comédia inteligente quando o humor que sepraticava no cinema brasileiro da época era, segundo ele,pautado pela vulgaridade. Osso, Amor e Papagaios baseia-senum conto pessimista e sinistro de Lima Barreto. O originalchama-se A Nova Califórnia. Souza Barros e Nemolo Jr.descobriram o humor em meio à depressão. Quando chegou a São Paulo para estudar economia, SouzaBarros não optou imediatamente pelo cinema. Passou antes peloteatro, integrando o elenco da famosa montagem de Hamlet, naqual Pascoal Carlos Magno lançou um ator que haveria de sedestacar bastante na cena brasileira (e hoje virou nome deteatro) - Sérgio Cardoso. Com o fotógrafo Rui Santos e o artistaplástico Luís Ventura, Souza Barros fundou uma pequena empresapara fazer documentários. Um deles, Santa Isabel do Ivaí,obteve tanta repercussão (e ganhou tantos prêmios) que o diretorrecebeu um convite para estudar no Centro Sperimentale diCinematografia, em Roma. Voltou de lá decidido a ser um cineasta sério.Co-dirigiu Osso, Amor e Papagaios e também escreveu oargumento, de forte inspiração neo-realista, de Rua sem Sol,que seria dirigido por Alex Viany. O desenvolvimento futuro dacarreira de Souza Barros foi ziguezagueante, mas ele aindaobteve certa repercussão com O Alegre Mundo de Helô, comédiaco-escrita por Nelson Rodrigues, na qual o grande dramaturgo fezuma análise mais soft do comportamento da classe média queadorava escrachar em suas tragédias suburbanas. Souza Barros tinha o maior apreço pelos prêmios querecebeu. Gostava de dizer que o Saci havia crescido com o cinemabrasileiro, até tornar-se o prêmio mais importante do cinema noBrasil. Mas não conseguiu perseverar na linha que se auto-impôs.Voltou aos documentários institucionais e teve algumasexperiências como ator. A ambição de ser um autor ficou comosonho irrealizado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.