A Marcha dos Pingüins recebeu ajuda de fundos europeus

A Marcha dos Pingüins, de Luc Jacquet, que ganhou ontem o Oscar de melhor documentário longa-metragem, foi financiado por fundos europeus. O documentário, francês, narra a aventura dos pingüins para preservar seu ciclo de vida na Antártida. A produção recebeu pouco mais um milhão de euros para a distribuição fora da França e a duração é de 120 minutos."Os filmes europeus triunfam em seus próprios mercados, mas, também, e cada vez mais, em países de todos os continentes", disse, em comunicado, a comissária européia da Sociedade da Informação, Viviane Reding. Viviane disse, no entanto, que estes filmes "perdem enormes oportunidades em conseqüência dos fragmentados mercados nacionais e por causa da ausência de foco mais ativo nos novos mercados mundiais".Para a comissária, o balanço comercial do setor audiovisual na União Européia é uma questão preocupante. "Precisamos melhorar a estratégia européia de exportação cinematográfica, num momento em que a distribuição digital e os filmes oferecem novas possibilidades e permitem a inserção em novos mercados, como o Brasil ou a China", explicou a comissária, que assegurou que Bruxelas já trabalha com estes mercados.Viviane lembrou ainda que o programa Media, que respalda a distribuição de nove em cada dez filmes comunitários, é de importância vital para a indústria cinematográfica comunitária. O atual programa, que começou em 2001 e vai até o final deste ano, conta com um recurso de 513 milhões de euros.Os filmes Uma Mulher Contra Hitler, Merry Christmas e Paradise Now, que concorreram ao Oscar de melhor filme estrangeiro, mais Darwin´s Nighmare, indicado na categoria de melhor longa-metragem, receberam conjuntamente cerca de um milhão e meio de euros do atual programa para que pudessem ser produzidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.