Cohen Media Group
Cohen Media Group

Grande arte de Agnès Varda surge no projeto 'Visages, Villages'

Diretora, destaque da Mostra de Cinema de São Paulo, busca cidades pequenas e seus habitantes como personagens do filme

Luiz Zanin Oricchio, O Estado de S. Paulo

24 Outubro 2017 | 04h00

O título é simples: Visages, Villages. Rostos, vilarejos. O projeto é uma parceria do fotógrafo JR e da cineasta Agnès Varda, ícone do cinema francês, com 89 anos de idade. O filme será exibido nesta terça-feira, 24, às 22h30 no Cinesesc, e em outras três datas, como parte da 41.ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

+ Dicas da Mostra; 24/10

Juntos, põem o pé na estrada a bordo do caminhão fotográfico de JR. O veículo, em si, já é digno de atenção. Uma moderna caminhonete, em formato de máquina fotográfica, com todos os recursos a bordo para desenvolver sua arte.

Mas fora de série mesmo é a dupla de aventureiros. Ela, uma senhora muito bem disposta, falante e aberta ao diálogo com todos e todas, cabelo pintado em duas cores. Ele, sempre de chapéu e óculos escuros, lépido, desbocado e um ar permanente de Jean-Luc Godard. Aliás, Godard, o próprio, terá papel importante no enlace do filme, aquele momento mágico em que a obra dá volta sobre si mesma. Mas esse desfecho fica à espera do espectador.

No início, a dupla sai pela campanha francesa em busca de pequenas cidades e seus habitantes. Cidadezinhas comuns, gente comum. Que vistas de perto, revelam-se incomuns, originais, únicas. São dessas pessoas e lugares que Agnès Varda gosta, como sabe quem conhece seus outros documentários, em particular sua obra-prima, Os Catadores e Eu (Les Glanêurs et la Glaneuse).

Varda usa o cinema como diário e memória (veja-se, por exemplo As Praias de Agnès, sua autobiografia fílmica). Mas não apenas. O cinema também a serve como instrumento de descoberta do Outro. Nesse trajeto, de simples camponeses ao dono de fazenda que, com a automação da agricultura, se tornou um homem solitário. Ou estivadores de um porto da Normandia e suas muito bem resolvidas mulheres.

+ Homenageado na Mostra, Paul Vecchiali traz beleza convulsiva em seus filmes

Não se trata apenas de entrevistas. As pessoas são chamadas para se transformar em obras de arte. São fotografadas e as cópias em tamanho gigante são estampadas num celeiro, na fachada de uma casa, num contêiner, numa esquina. Alteram a paisagem. Talvez mudem um pouco a maneira como essas pessoas veem a si mesmas.

Em todo caso, é nosso olhar que se transfigura com a passagem do filme. Já se disse que o cinema, quando grande, nos faz ver algo antes invisível. Algo que está diante de nós, mas não compreendemos. Deixando-se levar pelas coisas, “o acaso é meu melhor roteirista”, Varda e seus personagens enriquecem nosso olhar e sensibilidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.