'A Erva do Rato', de Júlio Bressane, é apresentado em Veneza

Diretor diz que filme traduz espírito de Machado de Assis, com Selton Mello e Alessandra Negrini no elenco

Efe,

08 Setembro 2002 | 17h31

O cineasta Júlio Bressane, símbolo do cinema independente brasileiro, volta ao universo literário de Machado de Assis para reavivar a repulsa das pessoas a ratos e esqueletos no filme A Erva do Rato, apresentado nesta terça, 2, no Festival Internacional de Cinema de Veneza.   O ator Selton Mello, o diretor Júlio Bressane, e a atriz Alessandra Negrini   Apresentado na seção Orizzonti, A Erva do Rato é um filme exigente, apreciado após ser visto e que faz o público sofrer durante a exibição.   Em entrevista coletiva, Bressane explicou que não é uma adaptação de Machado de Assis, mas é uma tradução em imagens de seu espírito.   A base literária são dois contos do escritor: Um Esqueleto e A Causa Secreta, mas deles há poucas linhas no filme, embora tenham sido feitas várias referências em torno de dois elementos: os ratos e os esqueletos, as duas coisas que, em toda a história da arte e do homem, sempre provocaram repulsa.   Este jogo semiótico, segundo o diretor, é protagonizado por Alessandra Negrini - que já trabalhou com Bressane em Cleópatra (2007) -, e o ator Selton Mello (O Cheiro do Ralo).   A Erva do Rato tem uma primeira máscara, nas palavras de Bressane: a literária. Com ela é possível recuperar a qualidade de Machado de Assis (1839-1908) para reinventar a língua portuguesa, com novas linhas formais e estruturas que resultam em uma narrativa cinematográfica insólita.   A Erva do Rato - o único veneno que não tem antídoto, segundo o filme -, começa em um cemitério no qual duas pessoas, cujos nomes são apenas Ele e Ela, se conhecem e são condenadas a ficarem juntas para sempre.   Ela se submeterá a partir de então a Ele na dura tarefa de transcrever as histórias que lhe conta e que encherão centenas de cadernos que consumirão sua energia.   A palavra protagoniza A Erva do Rato à primeira vista, mas após esta primeira máscara há outra: a luz, diz o diretor.   Desta forma, as referências pictóricas aparecem ao redor da pintura de Edouard Manet (1832-1883) e, especialmente, do quadro O Almoço sobre a Erva (Le déjeuner sur l'herbe), que impulsionou o Impressionismo, apesar de seu autor renegar o termo.   Fala da percepção e do desenvolvimento da luz. A luz é um processo químico e está antes dos atores e das cenas, disse.   Júlio Bressane, que é co-editor do filme junto com Rosa Dias, começou sua carreira em 1966 com o curta Lima Barreto - Trajetória e logo surgiu como um dos protagonistas do Cinema Novo brasileiro, onde desenvolveu uma carreira marcada por uma linguagem experimental, ritmo pausado e clara tendência estética.   Em 1985 já havia feito uma adaptação de Machado de Assis em Brás Cubas e entre seus últimos títulos se destacam Miramar (1997) e Dias de Nietzsche em Turim (2001).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.