'A Caça’ tenta confirmar boa fama da Dinamarca no cinema com Oscar

‘Pupilo’ de Lars von Trier, Thomas Vinterberg já venceu prêmio especial o Júri no Festival de Cannes com ‘Festa de Famíia’

Jan M. Olsen, AP

28 de fevereiro de 2014 | 23h14

Quando o diretor dinamarquês Thomas Vinterberg escreveu o roteiro de A Caça, um dos concorrentes ao Oscar 2014 de melhor filme estrangeiro, (que acaba de ser lançado em DVD pela Sony) ele tinha na cabeça a imagem de um jovem Robert de Niro como o professor solitário cuja vida começa a desabar por conta de uma mentira inocente.

Mas quando o ator Mads Mikkelsen - conhecido pelo papel como vilão do filme Casino Royale, de James Bond, ou o brilhante Hannibal Lecter da série de TV homônima - entrou no projeto, sua visão mudou.

"Foi incrível conseguir Mads, mas tive de reescrever tudo." A ideia original era que o protagonista, Lucas, fosse jovem, mas acabou transformando o personagem em um professor de jardim de infância humilde, quieto, e popular com as crianças. Ele se torna vítima de uma caça às bruxas moderna depois que uma menina de cinco anos faz uma falsa acusação de pedofilia.

"Alterei tudo porque pensei que daria uma combinação mais interessante", explica Vinterberg, que prefere não dar palpites sobre as chances de seu filme ganhar ou não o prêmio da Academia, que seria o quarto da Dinamarca. Certamente o longa enfrenta uma concorrência forte: Alabama Monroe, de Felix Van Groeningen, e A Grande Beleza, de Paolo Sorrentino, que levou o Globo de Ouro.

A reputação do pequeno país escandinavo no cinema pode aumentar suas chances. Gabriel Axel venceu o primeiro Oscar local com A Festa de Babette. Mesmo feito conquistado por Bille August com Pelle, o Conquistador, e por Susanne Bier com Em um Mundo Melhor. Isso sem contar a fama incontestável de Lars von Trier.

O próprio Vinterberg ganhou os holofotes internacionais há 16 anos com Festa de Família, que venceu o Prêmio Especial o Júri no Festival de Cannes. Ao dividir a técnica de Von Trier das produções minimalistas, com câmeras na mão, sem efeitos especiais, de iluminação ou sonoros, recebeu respeito e ficou na mira como um diretor promissor, a ser observado de perto.

TRADUÇÃO CLARICE CARDOSO

Tudo o que sabemos sobre:
Prêmio Oscar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.