"A Bruxa de Blair 2" aposta na Internet

Começou a contagem regressiva para a continuação do fenômeno A Bruxa de Blair. A seqüência do filme independente que mais faturou em toda a história estréia no fim do mês nos Estados Unidos e outros cinco países, mas seus produtores estão querendo usar a Internet - a mídia que impulsionou a febre originalmente - para atingir novos níveis de histeria. Entre os dias 18 e 20 a Blair Witch Web Fest faz todo o possível para misturar ficção e realidade na rede, como prévia da produção de US$ 15 milhões que pode virar um novo marco do cinema.Pouca gente passou imune ao fenômeno da bruxa no ano passado. A badalação em Sundance, a movimentação na Internet, as histórias sobre as imagens "reais" encontradas nas florestas de Maryland e a publicidade estrategicamente calculada produziram um sucesso de quase US$ 150 milhões. Mas, como dar continuidade a uma febre baseada em uma surpresa que dificilmente funcionaria se contada pela segunda vez?A Artisan Films resolveu apostar em um diretor de documentários (Joe Berlinger) e um orçamento de US$ 15 milhões para fazer o projeto funcionar. Nada de câmeras chacoalhando e produção barata: Book of Shadows- The Blair Witch 2 conta com efeitos especiais, takes sofisticados, trilha sonora bem-acabada e muito mais.A história é sobre um grupo de jovens (Erica Leerhsen, Jeff Donovan, Tristen Skyler e Stephen Turner) que resolve ir visitar o lugar que foi usado para o filme (sim, ficamos sabendo que A Bruxa de Blair era apenas um filme de ficção). Lá, eles são guiados por um morador misterioso de Burkittsville que resolve ganhar dinheiro com o fenômeno.Depois de passar uma noite acampados próximos à casa que teria sido de um homem condenado pelo assassinato de sete crianças, uma série de mistérios começa a acontecer: eles passam a ouvir vozes, descobrem marcas de símbolos ancestrais em seus corpos e têm de conviver com alucinações assustadoras. Assim como no primeiro filme, a tensão entre os personagens vai crescendo e o clima de histeria vai fazendo a ficção se misturar com a realidade na floresta amaldiçoada.A idéia do estúdio é confundir tudo usando a Internet. Nos três dias da Blair Witch Web Fest, uma série de eventos deve fazer muita gente acreditar em pelo menos parte dos elementos que formam a base do novo filme. Especialistas em ficção-científica e horror vão estar falando sobre acontecimentos inexplicáveis, enquanto rituais pagãos vão ser reproduzidos, em transmissões ao vivo de vídeo. Estão previstas ainda aparições de "paranormais que usam a possessão para se defender" e "fenômenos reais de bruxaria". Tudo isso no site http://www.blairwitchwebfest.com.Além de assustar adolescentes, Blair Witch é também um franchising que desta vez pretende fazer dinheiro também longe dos cinemas. Um Mundo Blair Witch em 3-D vai estar disponível no site oficial do filme (http://www.blairwitch.com) como prévia da trilogia de games para computador, que chega ao mercado em breve. Uma vasta linha de produtos temáticos, é claro, também vai estar disponível nos próximos dias nos Estados Unidos. O filme chega simultaneamente a três mil salas de cinemas.

Agencia Estado,

16 de outubro de 2000 | 15h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.