Kena Betancur/Reuter
Kena Betancur/Reuter

A atriz Angelina Jolie faz visita de dois dias ao Haiti

Notícia foi divulgada pelo Alto Comissariado da ONU, estrela dorme em acampamento brasileiro

AP,

09 Fevereiro 2010 | 15h32

Angelina Jolie começou nesta terça, 9, uma visita de dois dias de reuniões com sobreviventes do terremoto no Haiti, em seu papel de embaixadora da boa vontade do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR). Na noite desta terça, a atriz de Hollywood deve dormir em um acampamento militar brasileiro.

 

A atriz se reuniu com funcionários da ONU em Porto Príncipe e visitou um acampamento da organização SOS Villages para crianças órfãs na periferia da capital, onde foi aplaudida por fãs que gritavam 'Angie! Angie!'

 

Esse mesmo acampamento cuidou de 33 crianças haitianas assim que um grupo batista dos EUA foi preso na fronteira com a República Dominicana por traficar menores do país. Não se sabe se Angelina falou com algumas crianças. Os meios de comunicação foram mantidos à distância durante sua visita.

 

Angelina também visitou um hospital de Médicos Sem Fronteiras em um subúrbio de Porto Príncipe, onde saudou os presentes. A atriz e seu marido, o ator Brad Pitt, doaram um milhão de dólares à organização Médicos Sem Fronteiras para suas operações de emergência nesta pobre nação caribenha.

 

Angelina deve se reunir com haitianos que trabalham nas funções de limpeza em um programa conjunto com a ONU e a Agência de Desenvolvimento Internacional dos EUA, e passaria a noite em um acampamento militar brasileiro fora da cidade.

 

Nesta quarta, 10, a estrela de Hollywood e ativista tem em sua programação uma visita a um acampamento de vítimas do terremoto na cidade de Jacmel, além de visitar um centro da organização Save the Children, antes de voltar a Porto Príncipe e partir novamente rumo à República Dominicana.

 

Angelina já visitou o Iraque, a Tailândia e o Paquistão entre outros países com a agência da ONU.

 

 

 

Mais conteúdo sobre:
Angelina Jolie

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.