Divlgação
Divlgação

A arte de Samuel Fuller, cineasta da sobrevivência

Caixa com dois discos traz quatro títulos, incluindo os magníficos 'Beijo Amargo'e 'Paixões que Alucinam'

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

02 Janeiro 2015 | 02h06

São dois discos compondo uma caixa - A Arte de Samuel Fuller -, que você pode encomendar pela rede, para entrega no dia 7. Nada melhor que começar o ano na companhia de um dos grandes do cinema de Hollywood. Jornalista antes de se tornar roteirista e diretor, Fuller foi um autor realista que fez filmes marcados pela urgência. Com exceção da comédia e da ficção científica, frequentou todos os gêneros - guerra, gângsteres, western, policial, até melodrama. Numa cinematografia como a norte-americana, que sempre cultivou o heroísmo, Fuller fez figura de exceção. Seu cinema prescinde de heróis, todo mundo é meio vilão. Fuller filma os sobreviventes.

Os dois discos da caixa que resume sua arte trazem quatro títulos - o primeiro reúne Beijo Amargo e Quimono Escarlate, de 1964 e 1959; o segundo, Paixões que Alucinam e Casa de Bambu, de 1963 e 1955. O espectador que por acaso não for familiarizado com o estilo do diretor poderá ter um choque na abertura de Beijo Amargo. Uma mulher, uma prostituta, cobre de pancadas o homem - o cliente - que arranca sua cabeleira falsa. A trama não segue menos surpreendente. Constance Towers casa-se com um milionário, que lhe dá respeitabilidade. Mas é só uma fachada. Ao descobrir que o cara é pedófilo, ela reage com a mesma fúria do começo. Moral da história - é melhor ser p... do que pactuar com a falta de ética do mundo.

Como melodrama, Beijo Amargo possui um tom - e temas - que são frequentes no gênero, mas não espere nada no estilo do suntuoso (e barroco) Douglas Sirk. O mundo de Sirk é preto e branco, e não raro sinistro. Quimono Escarlate só tem cor no título. Conta a história de dupla de detetives que investiga a morte de uma stripper na comunidade japonesa de Los Angeles. Com Victoria Shaw, Glenn Corbett e James Shigeta, o filme aborda temas como identidade e racismo. Feito quatro anos antes, Casa de Bambu, com Robert Ryan e Robert Stack, mostra militares norte-americanos que buscam, no Japão, antigos soldados que se tornaram criminosos a soldo da Yakuza.

Todos esses filmes têm cenas fortes, impactantes. Era da natureza de Fuller (morto em 1997, aos 85 anos) filmar com veemência. Para muitos críticos, Paixões que Alucinam é sua obra-prima. Jornalista interna-se num instituto psiquiátrico para investigar assassinato. Os pacientes são a expressão da loucura da América - um negro que pensa pertencer à Ku Klux Kan. Peter Breck, que faz o papel, termina louco de pedra. Nada mais digno de Fuller.

Mais conteúdo sobre:
Samuel FullerCinemaDVDFilmes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.