5.º Oscar das salas de cinema: Teste de som e áudio

O Guia convidou dois especialistas para avaliar as duas melhores salas do ranking (Cidade Jardim 1 e Bourbon Pompeia 10) e uma das únicas da cidade com sistema de som THX (Kinoplex Itaim 6)

Pedro Henrique França, O Estado de S.Paulo

20 de fevereiro de 2009 | 00h09

Munidos de seus equipamentos, Gargel (à esqq.) e Blasiis avaliaram todos os detalhes  José Augusto Blasiis e Maurício Gargel têm vocabulário próprio (e recheado de termos que você nem imagina que existem quando está na poltrona do cinema). Coordenador da CasablancaLab/Teleimage e coordenador de Cinema Digital da Universidade Metodista, Blasiis avaliou as condições de projeção de imagem das duas salas mais bem-ranqueadas (Cidade Jardim 1 e Bourbon Pompeia 10) e da sala 6 do Kinoplex Itaim, que foi incluída por ser uma das únicas com sistema de som THX. Já Gargel, professor do Instituto de Áudio & Vídeo (IAV), monitorou cada ruído delas, até os que pareciam imperceptíveis. As conclusões detalhadas dos especialistas, obtidas por meio de análises com equipamentos específicos, você encontra abaixo.  1) Cidade Jardim Cinemark - Premier 1A sala Premier do shopping foi a que mais agradou os especialistas - que, claro, também gostaram de suas poltronas confortáveis.  Som: É a sala em que o som tem maior impacto, sem a necessidade de estar alto. A reposta de graves é boa - o que garante maior emoção em filmes de ação. Foi a sala com tempo de reverberação mais alto entre as três (sem sair do padrão). "Isso garante uma certa naturalidade ao som", diz Gargel. O ponto negativo é o excesso de eco nas duas primeiras filas. (Então evite sentar por ali.) Imagem: Para medir a luminosidade da projeção, é usada uma escala denominada foot-lambert (FL). No Brasil, 14 FL é considerada a referência média. A sala obteve um resultado bem próximo do ideal na medição feita no centro da tela, com lente scope, com 13 FL. A extremidades estavam dentro do padrão de tolerância, com 8.1 FL. Já na medição feita com a lente plana, a sala ficou com índices muito baixos - 8.1 no centro e 4.1 nas laterais. A variação de flicagem de luminância (efeito de piscada na projeção) foi a melhor entre todas as três salas avaliadas, praticamente sem alteração. 2) Bourbon Pompeia 10Encostada na campeã, aparece a vice-líder do nosso ranking. Por muito pouco a sala vip deste cinema não alcançou o primeiro lugar (e não foi porque o filme 'Marley e Eu' levou um dos especialistas - e o repórter - às lágrimas).  Som: O som desta sala é bastante equilibrado, com volume moderado. E comprova, segundo Gargel, que volume alto não é sinônimo de qualidade. O som surround é natural (quase subliminar), o que garante uma experiência auditiva muito mais real. "É como se você se sentisse 'dentro do filme'", diz ele. O ponto negativo: "notei que o som da sala ao lado vazou". Imagem: A sala teve o segundo resultado mais próximo do ideal no centro da tela, com 10.2 FL com a lente scope. E as laterais estavam dentro da tolerância, com 8.1 FL. Na medição com a lente plana, ficou com índices baixos (8.1 no centro e 5.1 nas laterais). A variação de flicagem de luminância foi a pior entre as três salas avaliadas.O instrumento de medição marcou variação de até 0,6 na escala EV.  Traduzindo: há um efeito de piscagem de luz na imagem, principalmente nas áreas mais claras, o que causa um certo incômodo visual durante a projeção. "Mas o filme foi projetado no formato scope e nos pareceu com brilho muito bom e com boa definição e recorte da imagem", diz Blasiis.  Kinoplex Itaim 6É uma das únicas salas da cidade que tem sistema de som THX - o padrão de alta qualidade inventado por George Lucas. O resultado mostrou, porém, que isso não garante o sucesso de ninguém. Som: "Essa sala ostenta uma placa com as letras THX, mas prova que padrões estabelecidos por uma empresa não correspondem exatamente à realidade", diz Gargel. Das salas que testamos, ficou em terceiro lugar, com um som "normal". Além disso, Gargel achou que o som poderia estar mais baixo, pois o volume excessivo atrapalhou a avaliação. "No mais, é uma sala comum sem grandes diferenciais", diz. Imagem: Foi a que apresentou mais fatores em desacordo com os padrões. A medição ficou em 6.4 FL, no centro, e em 2.6 FL, nas laterais. (Tanto com a lente plana como com a lente scope.) "O resultado é uma projeção com irregularidade na distribuição de luz", diz Blasiis. A variação de flicagem de luminância, porém, foi boa. Não passou de 0,1 na escala EV. "Mas o filme que assistimos nos pareceu sem brilho e sem definição", diz. Leia mais sobre o 5º Oscar das salas de cinema 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.