Photo Courtesy Warner Bros/Reuters
Photo Courtesy Warner Bros/Reuters

20 anos sem o gênio Stanley Kubrick

Canal Cinemax revisa parte da obra do grande diretor que criava relatos hipnóticos para alertar contra o caráter totalitário do cinema

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2019 | 11h59

Completam-se nesta quinta-feira, 7, 20 anos da morte de Stanley Kubrick. A data será lembrada pelo canal Cinemax, que programou, senão uma retrospectiva completa, a revisão de uma parte significativa da obra do grande diretor. A programação começou às 6h25 com Lolita, que Kubrick adaptou do romance de Vladimir Nabokov, e deve apresentar todos os filmes que ele fez depois - menos Laranja Mecânica, outra adaptação, de Anthony Burgess. Os filmes restantes são seis, alguns ainda dá tempo de conferir - Dr. Fantástico, às 9 h; 2001 - Uma Odisséia no Espaço, às 10h40; Barry Lindon, às 13h10; O Iluminado, às 16h20; Nascido para Matar, às 18h20; e De Olhos bem Fechados, às 20h20.

Fotógrafo - por orientação paterna -, aos 17 anos Kubrick já era profissional, na revista Look. Em 1953, estreou na direção com Fear and Desire. Seguiram-se A Morte Passou por Perto, O Grande Golpe, Glória Feita de Sangue, Spartacus, Lolita e todos os demais que passam no MAX. Moralista e pessimista, adorava experimentar. Seu sonho - frequentar todos os gêneros, deixando sua marca, uma obra-prima, em casda um deles. Assalto, noir, guerra, superespetáculo histórico, sátira política, ficção científica, terror. Ficou devendo o western. Por pouco. Contratado para dirigir A Face Oculta, foi despedido pelo astro Marlon Brando.

Existem temas que atravessam a obra - o olho que tudo vê, a palavra enguiçada, enlouquecida, etc. Perfeccionista, nunca estava completamente satisfeito com seu trabalho. Embora dominasse a técnica, e tenha tentado atingir os limites do impossível - em 2001 -, sua crença era de que o cinema é montagem. A arte de organizar imagens no inconsciente do público. Serrgei M. Eisenstein também acreditava nisso, mas cada tinha seu estilo, sua visão de mundo.Um passeio pelos filmes.

Lolita

Da obra-prima erótica e escandalosa de Nabokov, Kubrick tirou um filme cerebral sobre o desejo de James Mason pela enteada sexy, Sue Lyon.

 

Dr. Fantástico

A Guerra Fria, a ameaça atômica e o telefone vermelho que estabelecia a linha dioreta entre a Casa Branca e o Kremlin. Diversos papeis para Peter Sellers, a glacial erxposição do fim do mundo pelas dissolução do único elo que poderia unir os homens - a palavra. Kubrick foi sempre obcecado pelo fracassso da palavra, e isso que ele não viveu na era das redes sociais e das fake news.

 

2001 - Uma Odisseia no Espaço

A aurora do mundo, o macaco descobre o osso como ferramenta e um corte faz a história avançar milhões de anos, até a nave que dança no espçaço (Danúbio Azul). O mistério do monolito negro, o olho de Hal-9000, que tudo vê, a relação entre o macro e o microuniverso, o túnel de luze o verlho que remnadscve como bebê, que contempla a Terra ao longe. Ma-ra-vi-lho-so.

 

Barry Lindon

O romance de Tackeray, a filmagem à luz de velas, o exagerado desejo de Ryan O'Neal por prestígio. A beleza visual, segundo Jean Tulard no Dficionário de Cinemas, não comnpensa o aborrecimento da história.

 

O Iluminado

Stephen King, o escritor Jasck Nicholson quese isola num hotel deserto para produzir um livro. Mas o texto não deslancha, ocorrem coisasnos imensos corredores e o pai vai tentar matar o próprio filho. O horror, o horror.

 

Nascido para Matar

O treinamento militar, o esvaziamento das mentes dos recrutas por meio de pçalavras de ordem alienantes. Na segunda parte, a Guerras do Vietnã - que Kubrick filmou num hangar abandonado. O atirador solitário, na verdade, a atiradora. Em 1987, o cineasta já antecipava o empoderamento, muito forte.

 

De Olhos Bem Fechados

Stefan Zweig, a Traumnovelle, a novela do sonho. Tom Cruise, que se sente traído por Nicole Kidman, viaja no que não deixa de ser um coito interrompido. Kubrick, cada vez mais, cria relatos hipnóticos, mas busca, o que não deixa de ser um paradoxo, um espectador consciente, alerta contra o caráter massificante/tolitário das imagens e sons do cinema. Essa reflexão passa pelos olhos de Alex, que não conseguerm fechar-se durante o Tratamento regenerador (Ludovioco) em Laranja Mecânica, mas nós, o público, torcemos para que ele permaneça selvagem.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.