Zydeco, funk, R&B e danças do Mardi Gras

Todo o leque da cultura musical do sul dos Estados Unidos comparece à festa

Jotabê Medeiros, O Estadao de S.Paulo

15 de agosto de 2008 | 00h00

Na hora da festa, zydeco. Esse gênero dos pântanos da Louisiana, aparentado com o nosso forró, sempre funciona para botar fogo numa festa. E para conduzir a massa, volta ao País o notável acordeonista de zydeco Dwayne Dopsie, filho do lendário Rockin? Dopsie, herói do gênero.Dwayne vem com um quinteto, que tem Calvim Sam (bateria), Alex McDonald (que toca a famosa washboard, a tábua de lavar roupa), Dion Pierre (baixo) e Kenny Brown (guitarra). Não é suficiente? Então dá-lhe reforço: o grupo de dança Zulu Connection, liderado por Shaka Zulu, mostra como funciona uma das mais famosas paradas de mascarados do Mardi Gras sulista.Na seara moderna, vem Ivan Neville, do clã musical dos Neville Brothers, que traz ao País com seu grupo Dumpstafunk, combo de black music com 8 músicos. Ele fará uma festa para homenagear os Meters, um dos grupos pioneiros do funk americano, fundamental pedra de toque do gênero.A tradição vocal está representada pelo Mahogany Blue, que é um trio de cantoras formado pelas irmãs Lenita, Yadona e Dorene Wise. Seu repertório evoca o melhor de Aretha Franklin, Supremes e Missy Elliott. No contrabaixo de sua banda, ninguém menos que Tony Hall.Outro que estréia em terras brasileiras é o multiinstrumentista Dr. Michael White, que vem com a cantora Thais Clark. White toca com um quarteto, que inclui Roland Guerin (baixo), Mark Chatters (trompete e voz) e Detroit Brooks (banjo).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.