Zona Franca e três fronteiras

PRESTE ATENÇÃO: Nos imensos espaços dos Armazéns do Cais do Porto dois galpões estão dedicados à mostra Zona Franca, realizada em conjunto por todos os curadores desta edição da Bienal do Mercosul (exceto Ticio Escobar). Cada obra pode ser vista isolada e cada curador teve autonomia para escolher os trabalhos de acordo com critérios próprios. ''''Acho que os diálogos vão existir na cabeça de cada visitante. Quisemos mostrar que a curadoria não precisa ser uma coisa só, esse modelo está acabando'''', diz Gabriel Pérez-Barreiro.De modo a cortar a questão do ego, não é especificado, ao longo da mostra, qual artista foi selecionado por cada curador. Os trabalhos vão se emaranhando.Da seleção de Pérez-Barreiro prevalecem artistas dos Estados Unidos, como Steve Roden, Beth Campbell e Dario Robleto. ''''Geralmente, como levo os artistas latino-americanos para os EUA, quis aqui fazer o contrário'''', afirma.Mas vale mesmo é destacar a seleção do curador brasileiro Moacir dos Anjos. Ligado às questões de identidade e lugar e ainda com o tema do lugar ambíguo, como ele diz, estão entre as escolhas de Moacir a instalação humorada e irônica Lot (e), de Nelson Leirner; o vídeo Cuando la Fe Mueve Montañas, do belgo-mexicano Francis Alys (nele o artista registrou uma ação em 2002 em Lima, em que coloca um imenso grupo de pessoas, todas vestidas de camisetas brancas, tentando mover uma alta duna de areia - ação heróica, mas inútil, um trabalho ''''que responde à crise política e social no Peru''''); a obra inédita Continente-Nuvem, de Rivane Neuenschwander (no teto translúcido da sala, um mapa feito de bolinhas de isopor vai se transformando pela ação de ventiladores); e, como grande destaque, a remontagem de Marulho, de Cildo Meireles (em escala maior, essa criação do artista o transporta para a sensação de estar à beira do mar, em um píer).Depois, no próximo galpão, a mostra Três Fronteiras, com curadoria de Ticio Escobar, apresenta os trabalhos realizados pelos artistas Aníbal López, Daniel Bozhov, Jaime Gili e Minerva Cuevas, a partir de residências na zona da tríplice fronteira entre o Paraguai, Argentina e Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.