Você se Lembra Desta Crítica?

"O diretor Ruy Cortez, que está construindo uma carreira sólida em várias áreas do teatro, reuniu um elenco cristalino. Vitória Camargo impõe a mãe no limite da tragédia. É uma atriz de forte presença, que valoriza as pausas, o silêncio, em meio a explosões de desespero. O extremo dramático da peça está na aflição descontrolada da mãe em fazer casar a filha sem atrativos e doente. Tales Penteado (Tom) é tranqüilo e sincero. Encarna um Tom que se asfixia no marasmo. Rosa de Vidro convence porque o diretor teve a maturidade de escapar dos grandes efeitos." (trecho de crítica publicada no ?Caderno 2? em 25/6/2008)ServiçoRosa de Vidro. 75 min. 14 anos. Centro Cultural São Paulo (110 lug.). Av. Vergueiro, 1.000, Liberdade, 3383-3402. 3.ª a 5.ª, 21h. R$ 15. Até 14/8

Jefferson Del Rios, O Estadao de S.Paulo

30 de julho de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.