Vida de vip

Nada como ser rico e/ou famoso. Na área vip do show do Police, 2.500 convidados dividiram espaço com outros 2.500 fãs que pagaram R$ 500 para ficar debaixo do nariz de Sting. Enquanto os aficionados logo correram para a grade, muitos atores, atrizes e celebridades (de diferentes calibres) não fizeram questão alguma de acompanhar todo o show.O casal Angélica e Luciano Huck, por exemplo, chegou no meio da apresentação do trio e saiu antes do fim. A atriz Juliana Knust, capa da Playboy, não parava quieta - ia e voltava do espaço onde havia bebida, comidinhas e fotógrafos. Christiane Torloni estava mais empenhada em conseguir a assinatura de Sting para o movimento ''''Amazônia para Sempre'''' do que em vê-lo em ação. ''''Já estou indo lá pra frente. Sou muito fã. Tenho os vinis e agora está tudo no meu iPod'''', comentou. Daniella Cicarelli, Daniella Sarahyba e a miss Brasil Natália Guimarães passaram um tempo enorme posando para fotos e dando entrevistas, alheias aos agudos de Sting, à poderosa guitarra de Andy Summers e à ginástica de Stewart Copeland na bateria.Os atores Rodrigo Santoro, com a namorada, Ellen Jabour, e Selton Mello eram da turma que deu preferência ao que acontecia no palco. Selton chegou cedo para ver os Paralamas, quando a área vip ainda estava relativamente vazia e o cheiro forte de maconha ainda não havia se instalado (mais tarde, quando o Police entrou, o baseado rolou solto, inclusive na mão de artistas).Com a área ainda livre, os anônimos que haviam pago para estar no melhor lugar do Maracanã puderam dançar e pular bastante, embalados por sucessos como Vital e Sua Moto, Óculos e Alagados. ''''Fiz questão de pagar R$ 600, contando com a taxa de entrega. Achei caríssimo, mas não sei se será a última vez que vou ver o Police'''', contou a cantora Marthav. ''''Talvez pagasse isso tudo pelo Paul McCartney ou o U2 também.''''Os irmãos Mariana e Oswaldo Barros, de São Paulo, optaram pelo pacote da TAM. Hotel, passagem, transfer e ingresso a R$ 1.500 por cabeça. ''''É claro que vale a pena! Não é só por sermos fãs do Police, mas pelo fato de adorarmos ir a shows'''', contou Mariana, de 25 anos. O irmão, dois anos mais novo, emendou: ''''Gosto mais do que ela. Assim que soube que eles estariam aqui, pensei: ''''Eu vou.'''' Se a gente viajou para os Estados Unidos só para ver a reunião do Gênesis, vir para o Rio para o Police é fichinha!''''

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.