Van Gogh é leiloado em Paris por mais de US$ 8 milhões

Van Gogh é leiloado em Paris por mais de US$ 8 milhões

O quadro 'Raccommodeuses de filets dans les dunes', de 1882, foi arrematado por um colecionador americano nesta segunda, 4

AFP

04 Junho 2018 | 19h51

Uma tela de Van Gogh, pintada no começo de sua carreira, foi leiloada por mais de 7 milhões de euros (mais de US$ 8 milhões) em Paris, em uma venda sem precedentes em mais de 20 anos na capital francesa, anunciou, nesta segunda-feira (4), a casa Artcurial.

+++ Quadro de Van Gogh que pertenceu a Liz Taylor é leiloado por US$ 40 milhões

O quadro Raccommodeuses de filets dans les dunes (Reparadoras de redes nas dunas, de 1882) foi arrematado por 7.065.000 de euros (US$ 8,23 milhões) de um colecionador americano.

A obra tinha valor estimado entre 3 e 5 milhões de euros e foi comprado "após uma árdua batalha", segundo a casa de leilões.

A Artcurial informou que se trata de um "recorde mundial para uma paisagem de Van Gogh do período holandês".

A obra foi pintada quando o artista tinha 29 anos.

"Pintada em agosto de 1882, a obra comporta todas as premissas da revolução pictórica do autor de Noite Estrelada", segundo a casa.

Nela, destacam-se já "todas as características da pintura de Vincent, sobretudo o tratamento das paisagens, que outorgam o lugar principal à terra, com céus muito trabalhados", destacou Bruno Jaubert, diretor associado do departamento de arte moderna do Artcurial.

Van Gogh o pintou no campo perto de Haia, que "captou com muita vivacidade", destacou Jaubert.

O ex-proprietário, um colecionador europeu, havia emprestado a obra durante vários anos até 2015 ao museu Van Gogh de Amsterdã.

Os museus de Montreal e de Haia o exibiram sucessivamente entre 1960 e 2010. Antes da venda, foi exposto em Paris, e posteriormente será em Bruxelas e Nova York.

O último leilão de uma obra de Van Gogh em Paris remonta aos anos 1990, quando O jardim de Auvers alcançou US$ 10 milhões.

Mais conteúdo sobre:
Van Gogh

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.