Vaga do Oscar será disputada por Cao Hamburger

Brasil terá O Ano em Que Meus Pais Saíram de Férias como ''''candidato a candidato'''' na festa da Academia

Roberta Pennafort, O Estadao de S.Paulo

27 de setembro de 2007 | 00h00

O filme O Ano em Que Meus Pais Saíram de Férias, de Cao Hamburger, foi escolhido ontem como o representante do Brasil na disputa por uma vaga do Oscar de melhor filme estrangeiro, em 2008. O longa derrotou outros 17 concorrentes, entre eles Tropa de Elite, de José Padilha, cuja indicação era considerada favorita - sua polêmica exibição no Festival do Rio, na semana passada, além do efervescente comércio ilegal (camelôs cariocas já vendem uma quarta versão do longa, com diversos extras) reforçaram seu favoritismo.O Ano conta história do garoto Mauro, de 12 anos, que, a poucos meses do início da Copa de 1970, no México, é forçosamente separado dos pais e obrigado a se mudar para uma cidade desconhecida. Sobrevive em um lugar novo, repetindo a saga de seus avós, imigrantes judeus. O filme conquistou prêmios, como eleito o melhor da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo do ano passado, no voto popular.O júri que escolheu o indicado brasileiro foi formado pelos cineastas H ector Babenco e Bruno Barreto, os críticos Rubens Ewald Filho e Leon Cakoff, e os jornalistas Ana Paula Sousa e Pedro Butcher. Segundo eles, a decisão foi pensada nas chances que cada filme teria na competição. E o longa de Cao Hamburger demonstrou ser o mais competitivo porque se enquadra ''''no perfil histórico'''' dos vencedores de cerimônias passadas.Cakoff lembrou que a Academia gosta de histórias que têm um ''''tratamento humano da criança''''. Igual pensamento revelou Ewald Filho, veterano na cobertura do Oscar, para quem os eleitores, na maioria senhores com mais de 60 anos, têm idéias preconcebidas do que vão assistir. ''''Esses velhinhos certamente não gostariam de ver Tropa de Elite.''''Sobre o filme de José Padilha, talvez o preferido do público, os jurados deixaram claro que suas chances seriam menores. ''''Não estamos escolhendo o melhor filme do ano e sim aquele que vai representar o Brasil em uma seleção para um prêmio americano'''', completou Ewald Filho.O júri entendeu ainda que o longa que trata do cotidiano do batalhão de operações especiais da polícia do Rio se assemelha a filmes norte-americanos e até a seriados de televisão, o que reduziria suas possibilidades de vencer. Na reta final, os dois filmes disputaram com O Céu de Suely a escolha decisiva.Iniciando sua estratégia de conquista do mercado americano, O Ano... estréia nos Estados Unidos em dezembro.No dia 22 de janeiro, a Academia de Ciências de Hollywood anuncia os cinco finalistas, que vão disputar a estatueta na cerimônia de entrega, prevista para o dia 24 de fevereiro, no Kodak Theatre, em Los Angeles.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.