Universo teen criado com ajuda de jovens

Para o projeto, estudantes falam de família, mundo e sobre eles próprios

Luiz Carlos Merten, O Estadao de S.Paulo

28 de abril de 2009 | 00h00

Sempre que se discute o poder conferido à diretoria de Marketing das empresas para investir em projetos artísticos, por meio das leis de incentivo, um caso exemplar é o de Bicho de Sete Cabeças. Nenhuma empresa queria investir num filme sobre drogas, no qual o protagonista conhece o inferno no sistema manicomial. Laís Bodanzky filmou, na cara e na coragem, o roteiro que Luiz Bolognesi adaptou do livro de Austregésilo Carrano. O filme estava ?na lata?, como se diz, e nela talvez tivesse ficado se Laís não tivesse sido convidada para integrar o júri da Mostra de Cinema, onde conheceu Marco Müller, atual diretor artístico de Festival de Veneza e, na época, o homem da Fabrica, a divisão da Benetton para o cinema.Com apoio da Fabrica, Laís pôde concluir Bicho, um dos mais belos filmes da Retomada. A situação, agora, é muito mais confortável. A Warner está colocando o dinheiro, por meio do artigo terceiro - que regulamenta o investimento de distribuidoras estrangeiras na produção nacional -, e desta vez existem empresas interessadas em investir na produção da Gullane Filmes, que já se associara à Buriti, empresa de Laís e Luiz, para produzir Chega de Saudade. Dinheiro, apesar do período de crise, não está sendo o problema de As Melhores Coisas do Mundo. Laís pode manter o foco integral na realização, no trabalho com os ?meninos?.Em seus longas anteriores, ela sempre trabalhou com profissionais e não profissionais, mas desta vez são eles, os últimos, os protagonistas da história. Francisco Miguez e Gabriela Rocha, que fazem ?Mano? e ?Carol?, foram escolhidos entre centenas de candidatos. Sérgio Pena volta a preparar o elenco para Laís e volta e meia ele está no set - embora não esteja nesta tarde de segunda-feira, em que o repórter do Estado visita o espaço instalado no Liceu Pasteur, na Chácara Klabin. O Liceu Pasteur é uma escola francesa, que segue o calendário europeu. A escola está desocupada por estes dias. Os alunos que ocupam o pátio de recreio são figurantes, muitos deles foram candidatos aos papéis de Mano e Carol e são utilizados pela diretora em papéis menores.Adolescentes entre 15 e 17 anos, um pouco mais velhos do que os da série de livros de Gilberto Dimenstein e Heloisa Prieto. O alarido é grande no pátio, parece uma escola em funcionamento, mas é tudo ficção. A diretora prepara a cena com o fotógrafo Mauro Pinheiro - "Desde que vi Cinema, Aspirinas e Urubus (de Marcelo Gomes) sabia que teria de trabalhar com ele; Linha de Passe (de Walter Salles e Daniela Thomas) somente aumentou esse desejo", explica Laís -, os adolescentes dispersam-se pelo pátio. Francisco está sentado no chão, no meio de um grupo, exatamente como faria Mano. O personagem da tela guarda diferenças significativas em relação ao do livro. É um pouco mais velho, por exemplo. As situações do filme não são as dos livros - quer dizer, não são na medida em que não foram adaptadas do que Dimenstein e Heloisa criaram, mas não se pode fugir muito a esse universo teen.Tão logo foram contatados pela Warner - e Dimenstein -, Laís e Bolognesi propuseram uma forma de se apossar do projeto de encomenda, mantendo-se fiel a ele. Em vez de adaptar os livros, eles criaram grupos de pesquisas em várias escolas de classe média e classe média alta. Foram ouvir o que os próprios adolescentes tinham a dizer sobre eles, a família, a escola, o mundo. Com base nas pesquisas, o roteiro tomou forma e os diálogos foram escritos - mas a página não oferece nenhum dogma. A garotada pode reinventar as falas, desde que se mantendo fiel ao espírito das cenas. Com os jovens, contracenam os ?veteranos? - Denise Fraga, em seu segundo projeto consecutivo com a Warner (após Cristina Quer Casar, de seu marido Luis Vilaça), faz a mãe de Mano. Caio Blat é um professor camarada, que ainda se sente ?ligado? (pela própria idade) à turma. Paulo Vilhena, de novo trabalhando com Laís (após Chega de Saudade), é o professor de violão do herói.A equipe é de sonho. Além de Mauro Pinheiro, Laís trabalha com o diretor de arte Cássio Amarante, de Central do Brasil e Encarnação do Demônio, e a montagem será de uma fera da edição, Daniel Rezende, multipremiado por sua participação nos filmes de Fernando Meirelles, Cidade de Deus e Ensaio Sobre a Cegueira. A previsão de estreia é para 2010. A diretora é meticulosa. A liberdade do elenco jovem termina onde começa a marcação da cena - "O filme tem grua, marcação de luz. Um passo a mais pode estragar a cena. Tudo é muito planejado", ela diz. Luiz Bolognesi fica de longe, seguindo (admirando?) a mulher no trabalho. Ele não interfere, pelo menos no set. "Olha como ela fica feliz. Laís se reinventa nos sets enquanto inventa os filmes."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.