Uma prece

Ô, Santa Terezinha, a senhora por acaso já parou pra pensar quanto são nove vezes quarenta e nove?Eu sei que é uma conta difícil, e, pelo que me consta, a senhora tem um crucifixo e umas flores na mão, mas lhe falta uma calculadora. Pois então eu vou facilitar a sua vida.Quarenta e nove vezes nove são quatrocentos e quarenta e um, minha linda.Sabe o que isso quer dizer? Lá vai: como eu já fiz quarenta e nove vezes a novena das rosas para a senhora, eu já passei quatrocentas e quarenta e uma noites rezando.E agora que eu facilitei a sua vida, facilite a minha, pelo amor de Deus.Cadê as rosas, minha Santa?Eu já não lhe contei, no mínimo quatrocentas e quarenta e uma vezes, que meu sonho é ganhar rosa vermelha?Jussara, minha vizinha, ganhou bem uma dúzia do ex-noivo. Está certo que ele não presta, mas nesse ponto ele prestou até demais. Tanto que ela voltou pra ele. E pensa que Jussara fez novena? Fez nada. Foi só ela arranjar um paquera lá no forró que o miserável do ex-noivo num instante fez o favor de lhe enviar um buquê com cartão e tudo.Será que pra criatura ganhar rosas, em vez de fazer novena, tem de arranjar um paquera lá no forró? Mas se nem paquera lá no forró eu arranjo e nem ex-noivo eu tenho?A senhora acha que eu estou apelando pra senhora por qual motivo? É que meu caso já passou dos limites da desgraça. Quase meia década sem um namorado, nem um beijo na boca, quem é que não entra em desespero? Sem falar que eu completo trinta e um para o ano.Não é possível que nesta São Paulo muito maior do que Campina Grande eu não arranje um triste que se interesse pela minha pessoa. Nem que seja por uma noite. Nem que seja só pra mandar as danadas das rosas. Não estou nem exigindo namoro sério nem muito menos casamento, mas a senhora acha certo um ser humano nascer mulher e morrer sem que um homem sequer lhe ofereça flores?Meia dúzia já estava de ótimo tamanho. Uma rosa só, vá lá que seja. Já estou até negociando a cor da dita. Está valendo amarela, cor de rosa, até mesmo branca, que lembra cravo de defunto. Desde que seja de verdade, que rosa de plástico também aí eu não quero não. Nem para enfeitar a cozinha.Vamos lá, Santa Terezinha, eu faço outra novena. Com essa, vou inteirar cinquenta. Quatrocentos e quarenta e um mais nove vão ser quatrocentos e cinquenta dias de reza. Só número redondo. Vai ficar lindo. Quando as rosas chegarem, então, vai ficar perfeito.Já pensou, se eu alcançasse a graça, o que é que a vizinhança ia comentar vendo o entregador da floricultura batendo na minha porta? E o pessoal de Campina Grande? Sim, porque no caso desse milagre se suceder, isso valia um interurbano.- Adivinhe, mãe!- Não me diga que finalmente ganhasse as rosas, Edilene. - Mãe ia descobrir só pelo entusiasmo da minha fala.- Agora espalhe pela cidade todinha, viu?E a falação que havia de se dar!- Edilene está de namorado, sabia?O povo ia morrer de inveja do fato de eu ter um amor verdadeiro. E eu nem me incomodava de contar para todo mundo que só consegui a proeza à custa de muita reza.Os méritos podem ser todos seus, desde que as rosas sejam todas minhas.Mesmo sendo pura e virgem, a senhora há de concordar comigo que não existe nada melhor do que ser amada, Amém.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.