Uma mostra de raridades da arte moderna

Dan Galeria faz exposição de curta duração reunindo 43 obras, com destaque para a pintura de grandes nomes nacionais

Camila Molina, O Estadao de S.Paulo

20 Março 2009 | 00h00

Uma raridade, um mapa de Ouro Preto feito a nanquim por Alberto da Veiga Guignard em 1946 identifica todas as igrejas e pontos da cidade histórica mineira em delicados traços. Vista de Itacolomi é um dos destaques da mostra Modernos de Sempre, que a Dan Galeria exibe somente até o dia 30. Inegavelmente, nunca se perde o interesse pelas obras do modernismo brasileiro, diz o marchand Peter Cohn, proprietário dessa galeria cuja raiz é trabalhar com a arte moderna seguindo também por uma linha que agrega "os pilares de cada momento", principalmente, ainda, o concretismo. A exposição, com curadoria de Olívio Tavares de Araújo, apresenta, no total, um conjunto precioso de 43 obras de tantos grandes artistas: Guignard ainda comparece com uma série de outras pinturas, mas há também quadros e criações sobre papel feitas por Vicente do Rego Monteiro, Di Cavalcanti, Pancetti, Portinari, Cícero Dias, Rebolo, Volpi, Flexor, por exemplo. A mostra perpassa um espectro longo, desde 1909 com o quadro Cabeça de Homem com Chapéu, de Lasar Segall, até a tela Noturno, de 1961, feita por Antonio Bandeira - curiosamente, conta Cohn, uma vista aérea abstrata e soturna em que o artista agregou miçangas coloridas. Uma reflexão sobre "achados" da arte moderna, como afirma Araújo. Serviço Modernos de Sempre. Dan Galeria. Rua Estados Unidos, 1.638, tel. 3083-4600. De 2.ª a 6.ª, 10 h/19 h; sáb., 10 h/14 h. Grátis. Até 30/3

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.