Uma deslumbrante experiência audiovisual, por Terrence Malick

Considerado o mais bissexto dos grandes diretores norte-americanos, Terrence Malick realizou apenas quatro filmes em 34 anos de carreira. O primeiro data de 1974 (Terra de Ninguém) e o segundo, de 1978 (Cinzas do Paraíso). Somente 20 anos mais tarde ele voltou com Além da Linha Vermelha, ao qual se seguiu O Novo Mundo, em 2005. No intervalo, Malick dirigiu, sem crédito, em 2002, The Bear''''s Kiss.Esta produtividade tão reduzida está ligada ao grau de exigência do diretor, que trabalha no seu ritmo e não no do cinemão. A própria narrativa de seus filmes é lenta, mas Malick certamente possui um olho para a beleza (e outro para o detalhe).Cinzas do Paraíso (Days of Heaven) é o atraente cartaz de hoje do Cinemax Prime, às 14h30. Nestor Almendros ganhou o Oscar por sua deslumbrante fotografia e o filme foi planejado pelo diretor (e pelo fotógrafo) como experiência sensorial. A história, propriamente dita, é secundária, mas trata de um triângulo amoroso no quadro das transformações ocorridas nos EUA, na passagem do século 19 para o 20. Richard Gere, Brooke Adams e Sam Shepard estão no elenco e se você achar a casa da fazenda parecida com a de Assim Caminha a Humanidade (Reata) saiba que não é mera coincidência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.