Um solteirão se vê dividido entre passado e presente

Prestes a fazer 40 anos, um solteirão até então convicto chamado Carlos Eduardo reencontra a namorada da juventude, Solange, uma pré-candidata à prefeitura que vem sendo chantageada às vésperas da eleição. Ele se torna uma espécie de detetive que investiga os partidários e bajuladores de Solange. Para tanto, Carlos Eduardo - um professor universitário - altera a rotina centrada em leituras, ócio e furtivos relacionamentos com alunas. Ele se percebe dividido entre o presente e o passado. A situação se complica mais quando Lídia, uma das alunas namoradas, parece não demonstrar nenhuma intenção de romper o relacionamento. O movimento ficcional é de retorno às origens.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.