Um livro aberto

A vida de José Sarney é um livro aberto, que poderia dar um ótimo romance nas mãos de um escritor competente. A fabulosa trajetória de Ribamar, o cordial, que nasceu em um Estado muito pobre, tinha pretensões literárias, e entra para a política, fica rico e poderoso apoiando a ditadura militar e, por um golpe de sorte quase inverossímil, se torna presidente da República e membro da Academia Brasileira de Letras.Mas a história termina mal, quando o patriarca, tentando salvar o filho das garras da Polícia Federal, volta pela terceira vez à presidência do Senado e se desmoraliza como pivô de uma crise sangrenta e devastadora, quando o seu caráter e seus malfeitos são revelados e o tornam símbolo do político patrimonialista e atrasado que o País não aceita mais.Bem escrito, poderia ser um ótimo personagem. Como ficção, não biografia. Um político que serve à ditadura militar durante 20 anos, que preside o partido que a apoiou no Congresso, que é conivente com as prisões, torturas e assassinatos cometidos pelo governo que sustentava por livre vontade e puro oportunismo, e mesmo assim se diz um paladino da democracia e se orgulha de sua biografia impecável. E tenta reescrever a sua história apostando na retórica e na falta de memória do povo, e na sua habilidade e falta de escrúpulos para construir alianças políticas. E quase chega a convencer, com sua imagem de vovozinho amoroso e de homem educado, cordial e tolerante.Sarney, o personagem, não mente, faz ficção na política, na administração e nas suas relações com o patrimônio público. E as suas ficções são inverossímeis e sentimentais, cheias de chavões e pieguices, sua biografia imaginária não convence nem diverte e nem emociona, como um livro ruim. Vida e obra se misturam e se completam.Em seus delírios ficcionais, ele ainda imagina um happy end. Mas nenhum editor aceitaria um final assim, porque o leitor não acreditaria, ninguém publicaria. Só a gráfica do Senado. Mesmo assim, ele vai à luta, em defesa do clã, e tem um final melancólico, abandonado pelos aliados que considerava mais fiéis: Lula, Collor e Renan.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.