Um Hitchcock menor, ou seja, melhor que a vasta maioria

Na Riviera Francesa, uma série de roubos de jóias assusta os endinheirados moradores, pois lembra o estilo dos assaltos cometidos por célebre ladrão que, por atacar à noite e fugir pelo telhado, era conhecido por Gato. A trama já é instigante, mas, nas mãos de Alfred Hitchcock, Ladrão de Casaca tornou-se um delicioso filme policial. Basta conferir no Telecine Cult,a partir das 20 horas.Curiosamente, é apontada como uma das obras menores do mestre, especialmente por sua opção pelo requinte e para a narrativa em tom de aventura. Mas todo cinéfilo sabe que um filme secundário de Hitchcock é superior a 80% da produção mundial. Algumas cenas bastam como justificativa. Como a do cigarro apagado em um ovo frito ou o espocar de fogos de artifício quando os personagens de Cary Grant e Grace Kelly se beijam.Os carinhos, aliás, eram vigiados pela censura da época (anos 1950) que, acredite, fixava um tempo máximo para cada beijo. Hitch driblou a proibição de forma genial, transformando um longo beijo em uma sucessão de pequenos. E Grace Kelly está radiante como nunca, da mesma forma como são retratados os bem-nascidos daquela região francesa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.