EFE/Tod's
EFE/Tod's

Turistas do Coliseu podem ir para o subsolo para ver os 'bastidores'

Após 2 anos e meio de reformas, turistas poderão descer e vagar por parte do que foram os "bastidores" da antiga arena.

AP, O Estado de S.Paulo

28 de junho de 2021 | 07h33

Após 2 anos e meio de trabalho para escorar as passagens subterrâneas do Coliseu, os turistas poderão descer e vagar por parte do que havia sido os "bastidores" da antiga arena. O ministro da cultura da Itália anunciou formalmente a conclusão de trabalho para escorar e restaurar a seção subterrânea na presença do fundador da Tod's, fabricante de calçados e artigos de luxo, que pagou a conta. 

Durante séculos, quando os espectadores encheram o Coliseu para assistir a espetáculos repletos de gladiadores e animais selvagens, o público foi proibido de se aventurar abaixo do nível do palco. 

A proibição durou de 80 d.C., quando o anfiteatro foi inaugurado, até o último show em 523. Dezenas de plataformas móveis e elevadores de madeira foram usados nos tempos antigos para transportar até o nível do palco cenários vívidos, bem como artistas e animais para entradas dramáticas.

A diretora do Coliseu, Alfonsina Russo, disse que os turistas poderão caminhar por uma passarela de 160 metros (530 pés) de comprimento para ver alguns dos que eram originalmente 15 corredores que circundavam os níveis subterrâneos.O trabalho de restauração por equipes de engenheiros, agrimensores, operários da construção, arquitetos e arqueólogos foi interrompido durante parte da pandemia covid-19. O fundador da Tod, Diego Della Valle, respondeu há vários anos a um pedido do governo italiano de financiamento do setor privado para projetos de restauração, devido à incapacidade do país de encontrar dinheiro para cuidar de sua imensa arte e tesouros arqueológicos.

Della Valle também pagou por uma limpeza multimilionária (em dólares) do Coliseu, um projeto monumental que removeu décadas de fuligem e sujeira que fez a arena parecer monótona e sombria. No mês passado, o ministro da Cultura, Dario Franceschini, detalhou um projeto para construir um palco leve dentro da área para que os visitantes possam admirar o antigo monumento de um ponto de vista central. O palco será retrátil. A arena original tinha um palco, mas foi removida em 1800 para exploração arqueológica do nível subterrâneo. A nova etapa também permitirá a realização de eventos culturais que, segundo o ministro, respeitariam o Coliseu como símbolo da Itália.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.