Carabinieri Treviso / Folheto/ Reuters
Carabinieri Treviso / Folheto/ Reuters

Turista danifica escultura de Canova em museu da Itália para tirar foto

Austríaco de 50 anos foi identificado e pagará por restauração da obra 'Paolina Borghese', de Antonio Canova

Redação, Ansa

05 de agosto de 2020 | 11h03

Um turista austríaco de 50 anos danificou uma escultura dentro do Museu Gypsotheca Antonio Canova, em Possagno, na província de Treviso, na Itália, ao tirar uma foto com a obra Paolina Borghese, do artista que dá nome ao local.

O incidente ocorreu no último sábado, 1, e os policiais conseguiram fazer a identificação nesta terça-feira (04) depois de uma reconstituição minuto a minuto do que aconteceu.

As cenas mostram que o homem sentou na base da obra e chegou a praticamente se deitar na peça para fazer pose para a foto, que foi tirada por uma mulher. Ao se levantar, ele perde o equilíbrio e danifica um dos dedos do pé da escultura.

Percebendo o que fez, ele sai sem avisar ninguém do museu.

Os policiais verificaram que o turista estava junto com uma excursão e ligaram para a responsável pelo grupo - que era esposa do acusado. A localização foi possível por causa das novas regras por conta do novo coronavírus, que preveem que as visitas só podem ser realizadas mediante agendamento.

Ainda conforme os carabineiros, que transferiram o caso para a Procuradoria local, o casal se comprometeu a pagar os danos.

A Paolina Borghese de Canova foi criada entre os anos de 1804 e 1808 e faz parte de uma coleção de peças de arte e artigos pessoais do artista, que tentam dar uma "visão completa" da vida do italiano - que viveu entre os anos de 1757 e 1822.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.