Tropeços de toda ordem comprometem proposta

Difícil tarefa, a do autor, principalmente se levarmos em conta a intensa vida de García Márquez e a enorme importância da sua obra. Paul Strathern até que poderia ter se saído bem, se considerarmos que um trabalho em profundidade não era exatamente o seu objetivo. É lamentável, porém, a quantidade de erros garrafais espalhados ao longo do livro, e que vão de datas que se contradizem a equívocos gritantes, de afirmações que carecem de base a falhas de interpretação, culminando com tropeços na cronologia da vida e obra do retratado. Enfim: um livro feito às pressas, para ser lido depressa. Eric Nepomuceno traduziu para a língua portuguesa oito livros de García Márquez, entre eles Doze Contos Peregrinos (Record), vencedor do Jabuti

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.