Trechos

Ele afirma que o escritor não convive com o músico porque o tempo de imersão de cada um é absoluto. "Aquilo me consome o tempo todo, como durante a feitura do livro, em que não há espaço para ouvir música, nem tocar violão. Então, quando você volta para a música, você é um sujeito diferente daquele que deixou de fazer música durante anos.""A literatura da música popular não tem nada que ver com a literatura dos livros. É outra linguagem. A gente tem de se libertar daquilo, procurar o tom certo da linguagem, da letra da música popular, que é um tipo de literatura, mas diferente de um romance.""A música é mais alegre, fazer música é mais gostoso. A música fica pronta, você sai, mostra para os amigos. A vida de músico é mais alegre, mais sociável, me sinto mais saudável. Dá vontade de pegar um jacaré, fico me sentindo mais novo.""A literatura é mais pesada. Tem dias que são maravilhosos, mas acho que, no dia a dia, o tempo do compositor é mais leve que o do escritor."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.