Trecho

A investigação tinha começado sete meses atrás. Desde o começo, a construção da torre havia encontrado numerosos inimigos que a acusavam de destruir a beleza da cidade. A princípio se tratava de inimigos inofensivos, que não queriam que o monumento de ferro forjado convivesse com os antigos palácios.Eiffel tinha recebido o ataque de associações de viúvas de antigos combatentes, de estudiosos da história da cidade, de conservadores de museus e monumentos. Mas logo se incorporou à batalha um grupo radicalizado: as cartas anônimas se transformaram em ameaças; as ameaças, em fatos: uma rosa com espinhos envenenados, enviada em uma caixa em nome do engenheiro Eiffel, uma Estátua da Liberdade em miniatura com uma bomba sem ativar em seu interior.O mais singular dos atentados tinha consistido em envenenar as pombas que iam à torre, de tal maneira que centenas de aves caíram mortas ao mesmo tempo sobre a construção, paralisando o motor dos elevadores e alarmando os despreparados operários.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.