Tradição vira fricção na voz de Cassandra

Ela faz shows em SP e no Rio e diz que toda música popular está relacionada

Entrevista com

Jotabê Medeiros, BUENOS AIRES, O Estadao de S.Paulo

27 de maio de 2009 | 00h00

Nos anos 80, Cassandra Wilson foi uma das fundadoras do movimento M-Base, que misturava a cultura musical africana com o funk e o jazz de vanguarda. A voz "enfumaçada" (como costumam definir), a postura cool, o olhar de mormaço e uma formação musical complexa a tornaram uma rara unanimidade. Em 1995, ganhou o primeiro Grammy, pelo disco New Moon Daughter. Os críticos a colocaram no ponto mais alto do jazz vocal, de onde não saiu até agora - é a mais celebrada cantora do gênero da atualidade.Ao longo da carreira de rara unanimidade, ela só vem alargando essa fronteira. Agora, aos 54 anos, Cassandra chega ao Brasil a bordo do novo disco, Loverly, que lhe valeu o Grammy de melhor cantora de jazz este ano. Canta amanhã à noite no Bourbon Street, sexta no HSBC Brasil e domingo no Rio. Na quinta-feira à noite, foi aplaudida de pé no Teatro Gran Rex, em Buenos Aires. Cerca de 40 minutos depois de sair do palco dançando de chinelas Havaianas, recebeu a reportagem do Estado em seu camarim, para uma conversa. Serviu vinho branco para acalmar o interlocutor e falou do seu sonho de conhecer Salvador, na Bahia.Seu show começa como uma festa africana, entre o Mali de Amadou e Mariam e o Senegal de Youssou N?Dour, e termina em batucada. No meio disso, há blues,a música brasileira e pop. É proposta sua, construir uma ponte para se compreender a música de origem africana?É como um guia para entender a diáspora africana da música, porque toda música é relacionada. Essa bagagem traz a marca do que nós sofremos, às vezes, e também das nossas alegrias. Se a compreendemos melhor, podemos entender o que fomos antes. A fonte é comum.E a música brasileira, como entra?A retenção cultural da música é muito forte em seu País. É tudo muito mais natural para vocês. Os americanos têm um jeito de sempre tentar elaborar intelectualmente antes, ou então não conseguem entender. Nós lutamos muito entre Ocidente e Oriente, entre valores europeus e africanos. Na música, é preciso sentir. Por isso, a tarefa às vezes é mostrar que não há barreiras entre essas tradições, exceto na cabeça da gente.A sra. já veio ao Brasil antes, em 1994. Do que se lembra?Sim, fui substituindo Mel Tormé, que ficou doente. Foi uma viagem muito rápida, não tive muito tempo para conhecer nem ouvir muita coisa. Dessa vez, terei um dia de folga no Rio, quero sair para conhecer. Tem dois lugares na minha lista que sonho em conhecer no mundo: Salvador, no Brasil, e Havana, em Cuba. Salvador, me disseram que tem uma festa lá, de Iemanjá, que é muito linda.Dizem que essas cidades, junto com New Orleans, representam o mais sofisticado em mistura musical.Sim, New Orleans também é fascinante. Eu nasci em Jackson, Mississippi, a duas horas e meia de New Orleans, e tenho uma forte ligação também com a cultura musical daquela região dos Estados Unidos. Foi lá na minha cidade natal que gravei parte do disco que é a base desse show, Loverly.Foi daí que veio essa atmosfera de blues que permeia o show?O blues atravessa toda minha experiência como cantora. Está na minha origem. Mas não só. Sinto atração também pela música latina, pela música brasileira, a bossa nova, o samba.Sempre dizem que a sra. faz também uma ponte entre o pop, quando canta músicas dos Beatles, por exemplo, e o jazz.A plateia nunca pergunta se o que estou cantando é jazz ou alguma outra coisa. Só querem algo que os emocione, apenas isso. Parte do trabalho de um músico é atualizar o passado, fazer novas leituras à luz de novos instrumentos e uma nova realidade. Isso é o jazz. É uma disciplina, algo que fazemos para comunicar com nossa música, abrir possibilidades. É mais um estilo do que uma forma. É um enfoque, uma maneira de compreender a música, que é contínua, não é estanque.A sra. canta uma música de Luiz Bonfá, Manhã de Carnaval (de Orfeu Negro), e pronunciou direitinho o nome dele durante o show.Eu soube da música brasileira muito cedo em minha vida. Meu pai, que era músico, ouvia muito. Tinha discos de Milton Nascimento, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Tom Jobim. Eu adorei quando ouvi pela primeira vez aquele disco da Astrud Gilberto com o Stan Getz. Eu compreendi a importância do samba bem cedo, e soa natural para mim cantar MPB. Não é um modismo. Mas não é música brasileira o que eu canto, eu sei disso. É uma combinação do som da música brasileira com peças do jazz tradicional. A sra. também chamou a atenção de duas pessoas na plateia, pedindo que elas desligassem suas câmeras. "Esteja aqui", a sra. disse para eles. Não gosta da tecnologia?Para nós, que estamos no palco, o show é um ritual. A câmera incomoda, significa que aquela pessoa não está ali naquele momento. É algo rude, porque se você se dispõe a participar de um ritual, todo mundo deve estar ali. Gosto da tecnologia, acho que é imprescindível. Melhora o som, ajuda a que o show não tenha falhas. Mas há momentos em que ela não é necessária. Não quero a tecnologia na hora em que estou fazendo amor com meu marido. A imagem no YouTube substitui a experiência de ver o show com os próprios olhos e os sentidos? O repórter viu o show em Buenos Aires a convite do Bourbon Street Music Clubo que ela canta Caravan A sleeping bee Lover come back Black Orpheus (Orfeu Negro) St. James Infirmary Harvest Moon Pony Blues Wichita Lineman Till there was You Dust my Broom ArereA Banda HERLIN RILEY: O baterista Herlin Riley é o mais famoso do grupo de Cassandra Wilson. Integrou o célebre trio do pianista Ahmad Jamal, além de ter gravado com Doctor John e Wynton Marsalis. MARTIN SEWELL: O guitarrista é também o diretor artístico do show. Já tocou com Jack DeJohnette e Joe Lovano, entre outros. Usa diversas guitarras, elétricas e acústicas, no show.REGINALD VEAL : O contrabaixista Veal também tocou com os Marsalis, e ainda com Marcus Roberts, Wycliffe Gordon , Wessell Anderson, Eric Reed.LEKAN BABALOLA: O percussionista nascido na Nigéria e criado em Londres, estudioso da cultura ioruba, é quem dá o tom afrobeat ao show.JONATHAN BATISTE : O grupo se completa com o jovem pianista Jonathan Batiste, de 23 anos, integrante de uma das mais tradicionais famílias de músicos de New Orleans, e que incursiona, em carreira-solo, pelo soul, funk e hip-hop. Já tocou com Allen Toussaint e Harry Connick Jr. ServiçoSão Paulo: Bourbon Street Music Club (450 lug.). R. dos Chanés, 127, 5095-6100. Amanhã, 22 h. R$ 280/R$ 350HSBC Brasil (1.800 lug.). R. Bragança Paulista, 1281, 4003- 1212. 6.ª, 22 h. R$ 95/R$ 350Rio de Janeiro: Vivo Rio (2 mil lug.). Av. Infante D. Henrique, 85, (21) 2272-2919. Dom., 20 h. R$ 95/R$ 245

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.