Todo Fritz Lang está na balada de Chuck-a-Luck

O western O Diabo Feito Mulher é um dos clássicos do mestre expressionista

, O Estadao de S.Paulo

10 de junho de 2009 | 00h00

Existem livros que marcaram a história da crítica cinematográfica. O de François Truffaut sobre Alfred Hitchcock (Le Cinéma Selon Hitchcock, ou Hitchcock Truffaut), o de Peter Bogdanovich sobre Fritz Lang (Fritz Lang na América). Na abertura do segundo, o autor observa que, com exceção da França, pouco se escreveu sobre a fase norte-americana do mestre, embora os filmes em Hollywood somem mais da metade de sua obra. A opinião convencional era a de que, após seus primeiros filmes nos EUA, Lang entrara em decadência. Bogdanovich escreveu seu livro de entrevista e análise para provar que não era verdade.Ele encontrou um caso muito interessante no western Rancho Notorious - ou O Diabo Feito Mulher -, de 1951. Lang concebeu essa história sobre uma antiga garota de saloon que vai envelhecendo, mas não perde sua capacidade de seduzir, para Marlene Dietrich. Ela se envolve com um pistoleiro que também não é mais tão hábil no gatilho. Lang possuía grande carinho por Marlene, a vamp definitiva do cinema, mas contou a Bogdanovich que sua experiência com ela não foi muito boa. Marlene não queria envelhecer no papel e transformou a filmagem numa rede de intrigas.Mas O Diabo Feito Mulher fornece a súmula da obra langiana. Basta prestar atenção na balada de Chuck-a-Luck, que embala a história "Escutem a lenda de Chuck-a-Luck/Escutem a roda do destino/Enquanto gira uma e outra vez com seu som sussurrante/rola a mesma velha história de ódio, vingança e assassinato". Segundo o cineasta, o filme foi quase integralmente rodado em estúdio. A produção não tinha dinheiro nem para o cenário da montanha que dominava o rancho de Marlene e o deserto. Foi preciso usar transparências que não agradavam a Lang, mas elas remetem diretamente ao expressionismo de seus primeiros filmes alemães (e antecipam as imagens do navio e do porto em Marnie, as Confissões de Uma Ladra, de Hitchcock). Lang encontrou no cinema de ação o melhor veículo para suas histórias de homens em choque com destinos trágicos. Seu western com Marlene é exemplar. L.C.M.ServiçoO Diabo Feito Mulher. EUA, 1952. Dir. de Fritz Lang, com Marlene Dietrich. New Line Video, cor, 85 min., R$ 19,90

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.