Tiso fecha trilogia com samba e jazz

Pianista reinterpreta autores clássicos dos dois gêneros, em CD pautado pela elegância, com elenco estelar de convidados

Lauro Lisboa Garcia, O Estadao de S.Paulo

20 de março de 2009 | 00h00

A elegância dá a tônica ao CD Samba e Jazz - Um Século de Música (Trem Mineiro), que o pianista, compositor e arranjador mineiro Wagner Tiso lança ao lado de um elenco estelar de instrumentistas, com shows de hoje a domingo no Teatro Fecap. Com esse sofisticado registro, Tiso fecha uma trilogia em torno de suas principais referências musicais, iniciada em 1997 com Debussy e Fauré Encontram Milton e Tiso. "Comecei com música clássica porque minha mãe era professora de piano clássico", diz o músico. "Embora não tenha estudado com ela eu ouvia aquilo tudo. Fiz então um paralelo do impressionismo, no caso, com o barroco mineiro. São coisas importantes da minha vida." O segundo passo foi Tom Jobim e Villa-Lobos (2000), ao lado do Rio Cello Ensemble, como o primeiro. "Eles foram minhas grandes influências quando cheguei ao Rio de Janeiro, aos 18 anos, um na música popular, outro na erudita." Faltavam só as referências das "coisas mundanas" que ele viveu no período em tocou na noite, em boates. "Quando cheguei a Belo Horizonte, aos 16 anos, tive contato maior com o jazz propriamente dito, passei a conhecer os grandes instrumentistas", lembra. "Até então ouvia uma coisa ou outra, Frank Sinatra, as big bands de Duke Ellington, Count Basie, Ray Charles." Das diversas categorias de jazz americano, Tiso revisita agora o som das big bands, John Coltrane, Jon Hendricks, Miles Davis, Jerome Kern, Vernon Duke.Os sambas de "altíssima qualidade", que eram os de meio de ano, desvinculados do carnaval, ele também conheceu melhor no Rio. Dessa vertente, Tiso escolheu para interpretar agora um "sambista branco" mineiro (o Ary Barroso de Inquietação e É Luxo Só reunidos num medley) e os outros cariocas: Chico Buarque (Samba do Grande Amor), Nelson Cavaquinho (Folhas Secas), Paulinho da Viola (Quando o Samba Chama), Zé Ketti (Opinião) e Sinhô (o inédito samba amaxixado Volta a Palhoça, que abre o CD com vigor).Tiso procurou não criar nenhum arranjo de samba-jazz ou jazz-samba, mas demarcar os estilos separada e alternadamente, embora estabeleça relações não só na origem comum entre os escravos, na transformação pela influência europeia ou mesmo no ano da primeira gravação de cada gênero, 1917. "Na linha melódica e harmônica a música de Nelson Cavaquinho se parece muito com Solar, de Miles Davis", exemplifica.Samba e Jazz é o 35º álbum de Wagner Tiso, incluindo algumas das diversas trilhas que fez para cinema, como a recente Os Desafinados. Seu próximo passo será registrar suas obras sinfônicas, que já tem compostas.O show terá todos os temas do novo CD além de outros que Tiso cultiva em anos de parceria com os convidados Nivaldo Ornelas, Victor Biglione, Nicolas Krassik e Paulo Moura. Além deles participam do disco em atuações e arranjos primorosos Hermeto Pascoal e Hamilton de Holanda. A banda do show é formada por músicos que também tocaram no CD: Lula Galvão (violão), João Baptista (baixo), Marcio Malard (violoncelo), André Boxexa (bateria) e Mingo Araújo (percussão), entre outros, além de Carlos Prazeres (oboé), em participação especial. É luxo só. ServiçoWagner Tiso. Teatro Fecap (400 lug.). Avenida Liberdade, 532, tel. 2198-7719. 6.ª e sáb., 21 h; dom., 19 h. R$ 30

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.