The Hacker deu impulso ao sucesso de Miss Kittin

Produtor responsável pelas bases instrumentais da cantora se inspirou no techno da década de 1990

Marcus Vinícius Brasil, O Estadao de S.Paulo

19 de dezembro de 2008 | 00h00

Comendo pelas beiradas, o produtor francês The Hacker já garantiu um lugar na história da música eletrônica. Foi de seu estúdio que saíram alguns dos maiores sucessos das pistas no começo desta década, ainda que Miss Kittin leve o crédito como front woman. Discreto, ele passa longe da histeria frenética que sua parceira esbanja durante suas apresentações. Os dois se conheceram em um clube noturno em Grenoble, cidade natal de ambos. "Passamos a sair juntos e a explorar raves por todo o país. Era um tempo divertido. Ainda hoje temos o mesmo grupo de amigos, desde os anos 90", diz Michel Amato, nome por trás do pseudônimo. No show de hoje, Hacker será o responsável pelos teclados sintetizadores e pelo comando da parafernália musical.O nome artístico vem de uma música de Jeff Mills, produtor norte-americano e um dos pioneiros do techno produzido em Detroit.Seus primeiros lançamentos foram feitos no meio dos anos 90, mas Hacker já compunha músicas inspiradas em artistas como Duran Duran e Cabaret Voltaire havia dez anos. Foi com o lançamento da faixa Gratin Dauphinois que ele chamou a atenção de selos famosos, como o Gigolo Records, e entrou para o rol dos artistas que embalaram o electroclash."Eu nunca liguei muito para esse termo. Para mim sempre foi mais um nome criado pela imprensa. Apesar de sermos um grupo de eletrônica, a parte do ?clash? nunca significou muita coisa." E ao contrário de sua parceira, ele encara a guinada temática de suas músicas de maneira menos pretensiosa. "É claro que nós não vamos falar sobre pessoas famosas e champanhe para sempre, apesar de ainda gostarmos de beber e andar na área VIP." ServiçoD-Edge Concept. Hoje, Stop Play Moon, Zegon, Mau Mau, Miss Kittin & The Hacker, Claro Intelecto, Gui Boratto & Dada Attack e Jam Session. The Week. Rua Guaicurus, 324, telefone 3872-9966. Hoje, a partir das 23 horas. R$ 90/R$ 150

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.