Tela de Manet atinge valor recorde de US$65,1 mi em leilão

A venda da pintura 'Le Printemps' quase duplicou o recorde anterior

Chris Michaud, Reuters

06 de novembro de 2014 | 10h48

Um quadro famoso do pintor impressionista francês Édouard Manet quebrou o recorde de valor de venda do artista ao ser arrematado por 65,1 milhões de dólares na Christie's, o equivalente a boa parte da arrecadação total de 165,6 milhões de dólares da casa de leilões na noite da última quarta-feira.

Le Printemps (A Primavera), pintura a óleo de propriedade de uma mesma família durante um século, tinha sido avaliada em até 35 milhões de dólares, mas diversos interessados disputando a obra de arte, a maioria por telefone, fizeram o preço subir. 

A venda, incluindo a comissão de pouco mais de 12 por cento da Christie's, quase duplicou o recorde anterior de 33,2 milhões de dólares por um Manet, alcançado em 2010 com Self Portrait with a Palette (Autorretrato com uma Paleta).

O resultado surpreendente é uma confirmação do “interesse generalizado pela arte moderna e impressionista”, disse Doug Woodham, presidente da Christie's Americas.

Em uma segunda noite consecutiva, colecionadores de preciosidades impressionistas e modernas cada vez mais raras gastaram generosamente.

O leilão foi bem mais modesto do que a venda recorde de terça-feira da concorrente Sotheby's, que fez a maior negociação em sua história de 270 anos, mas ainda assim superou a estimativa já alta de 157 milhões de dólares em vendas.

A Christie's procurou trabalhar com estimativas conservadoras, e a estratégia valeu a pena –- mais da metade das obras superou os altos valores cogitados, e só quatro de 39 não foram vendidas.

“A venda alcançou preços extraordinariamente bons e foi feita na medida do gosto atual”, afirmou Brooke Lampley, responsável por arte moderna e impressionista da casa.

“Tivemos participantes de todas as partes do mundo”, acrescentou, com grande presença de norte-americanos, europeus e asiáticos. Quatro das 10 peças mais caras foram compradas por clientes britânicos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.