Tapa luta por peças de terça a domingo

A estreia de Mão na Luva hoje, em plena terça-feira, vai ajudar a encampar uma luta antiga de parte da classe teatral brasileira: a de voltar a apresentar espetáculos de terça a domingo, como nos grandes centros mundiais da cultura em todo o mundo. O desafio se torna ainda maior pelo fato de o Grupo Tapa e o seu Núcleo de Estudos não contarem com nenhum patrocínio atualmente. "Do ponto de vista artístico, é melhor fazer uma temporada mais curta, mas com mais sessões. Teatro, para ter qualidade, precisa ter sequência", diz Eduardo Tolentino, diretor da companhia que em 2009 completará 30 anos. Graças a uma parceria com o Viga Espaço Cênico, o sonho de exercer a profissão como qualquer outra, trabalhando um número mínimo de horas semanais, está-se tornando possível. "É um ato simbólico a fim de fazer com que outras pessoas possam refletir que esse cenário pode ser diferente." A temporada diferenciada, que vai até o dia 15 de fevereiro, vai oferecer ingressos a preços populares às terças e quartas-feiras, no valor de R$ 10. Às quintas e sextas vão custar R$ 20 e aos sábados e domingos a entrada é R$ 30. Em 2000, o grupo realizou a mesma experiência com parte do seu repertório e o resultado foi muito satisfatório.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.