Subvertendo a tradição para neutralizar conflitos

Alguém Que Me Ame de Verdade mostra como uma judia ortodoxa e sua amiga muçulmana fogem do casamento arranjado e buscam seus príncipes encantados

Luiz Carlos Merten, O Estadao de S.Paulo

09 de janeiro de 2009 | 00h00

Stefan C. Schaefer e Diane Crespo já se acostumaram - nos últimos dias, todo mundo que fala com eles quer saber a opinião da dupla sobre os atuais (e sangrentos) acontecimentos da Faixa de Gaza, com o recrudescimento da violência no Oriente Médio. "Estamos preocupados, claro, mas é uma preocupação humanista, não tem nada a ver, especificamente, com nosso filme. Arranged trata da possibilidade de diálogo e entendimento entre muçulmanos e israelenses na perspectiva de uma história nova-iorquina. Não estamos falando do Oriente Médio", explica o diretor, numa entrevista por telefone. Na verdade, trata-se de uma conferência e o repórter do Estado consegue falar durante quase uma hora com Schaefer - ele prefere ser chamado de Stefan - e Diane. Assista ao trailer do filme Arranged quer dizer ?arranjado?, mas no Brasil o filme recebeu o título de Alguém Que Me Ame de Verdade. É uma agradável surpresa (leia a crítica abaixo). Stefan e Diane são documentaristas estreando na ficção. Ele conta como tudo começou: "No segundo semestre de 2006, apareceu em nosso escritório uma senhora, uma judia ortodoxa, interessada em desenvolver um projeto de cinema conosco. Conversamos, a coisa não parecia muito interessante, mas aí ela me contou a história de uma amiga paquistanesa. Foi essa história que me interessou e que foi posteriormente transformada em filme."Arranged trata de uma tradição em muitas culturas - o casamento de jovens, arranjados por seus pais. Esse será, inclusive, um dos temas da próxima novela das 8 - O Caminho das Índias, de Glória Perez -, que vai substituir A Favorita. O filme conta a história de duas garotas, um judia ortodoxa e outra muçulmana, de origem síria, que vão lecionar numa escola de Nova York. Os próprios esperam ver as duas reproduzir na sala de aula a situação de tensão no Oriente Médio. Mas ambas, surpreendentemente, se apoiam. Rochel - e não Rachel - e Nasira estão naquele momentos de suas vidas em que as famílias estão arranjando os casamentos de ambas. Nasira tem sorte e encontra logo alguém para amar de verdade. A situação de Rochel é mais complicada, e ela vai ganhar ajuda da amiga muçulmana para encontrar seu príncipe."Sou homem, não sou judeu e muito menos ortodoxo, mas sou documentarista e sempre me interessei muito pelas histórias dos outros. Iniciei todo um trabalho de pesquisa, mas a parceria com Diane foi fundamental. Precisava do olhar feminino dela para penetrar melhor na intimidade dessas mulheres." O repórter confessa que, num determinado momento da história, chegou a pensar que a proposta do filme era fazer com que as duas garotas superassem suas diferenças por meio de um relacionamento lésbico. "Muita gente espera isso e se surpreende quando não acontece", observa Diane. O filme também parece que vai seguir a ditadura do politicamente correto, mas então, sutilmente, as coisas começam a mudar. "As garotas se insurgem contra a falsa modernidade da diretora da escola, que cospe na tradição. O que elas fazem é usar a tradição a seu favor, para atingir o que pretendem."O casamento arranjado precisa ser ?rearranjado?, numa mudança de rota para que as coisas cheguem a bom termo. Num certo sentido, é um conto de fadas contemporâneo, no qual as protagonistas se unem - e subvertem - a tradição para poder atingir seu objetivo. "Foi um filme que tivemos imenso prazer em realizar. O roteiro começou a ser escrito em novembro de 2006 e em dois meses estava pronto. Filmamos em 2007, tudo muito barato, um custo irrisório de US$ 40 mil, mas toda a equipe se entregou e integrou. Foi maravilhoso. Oxalá nossa história nova-iorquina, com o espírito cosmopolita e integracionista que caracteriza essa cidade, possa contaminar nossos líderes e os líderes das facções em conflito no Oriente Médio", diz Stefan. ServiçoAlguém Que Me Ame de Verdade (Arranged, EUA /2007, 89 min.) - Comédia dramática. Dir. Diane Crespo e Stefan C. Schaefer. 12 anos. Cotação: Bom

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.