Soldado Anônimo e a disposição de matar o inimigo desconhecido

A recente história dos Estados Unidos foi marcada por muitos conflitos. Desde os nazistas na 2ª Guerra até os iraquianos dos dias atuais, guerras são uma demonstração de hegemonia por meio da força. Entre os inúmeros estudos que buscam explicar tal atitude, o cinema oferece lições valiosas. E um dos mais interessantes exemplares é Soldado Anônimo, destaque do Telecine Pipoca, às 19h40.Trata-se da história de um rapaz, pertencente à terceira geração de uma família de verdadeiros soldados guerreiros e que, no início dos anos 1990, é enviado para o deserto do Iraque. Lutando contra inúmeras adversidades, ele e seus amigos esperam e se preparam para o ataque. Logo, não conseguem esconder sua ansiedade de dar o primeiro tiro contra os iraquianos - o filme se passa durante a Guerra do Golfo, de 1991.Com o tempo, começam a ponderar sobre os horrores da guerra e questionam a legitimidade de estarem lá enfrentando um inimigo que nem sabem exatamente quem é. Dirigido por Sam Mendes, o filme reabre a trilha de Stanley Kubrick em Nascido para Matar e mostra a frustração de soldados que, conhecendo o horror da guerra, não alcançam sua catarse, matando.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.