Sexo? Só calado

Poder Paralelo Record: Rede impõe regras para conter cortes

Keila Jimenez, O Estadao de S.Paulo

15 de maio de 2009 | 00h00

Cenas na cama com mão abaixo da cintura? Não pode. Palavras de baixo calão, insinuações muito picantes e falar durante o sexo? Não pode. Imagens de coxas, seios e bumbuns, mesmo que parciais? Também não pode. A direção da Record criou uma espécie de cartilha de censura para Poder Paralelo, trama de Lauro César Muniz que vem sofrendo cortes bruscos na rede desde sua estreia. As tais "diretrizes", um tanto subjetivas, foram passadas ao autor da novela e ao diretor, Ignácio Coqueiro, em uma reunião esta semana com o diretor de Teledramaturgia da rede, Iran Silveira. O encontro foi marcado com o objetivo de pôr fim ao cortes em cenas de sexo de Poder Paralelo - realizados pela direção da emissora - que têm atrapalhado a continuidade da história. Autor e diretor prometeram seguir as tais regras. Outro assunto da reunião foi a audiência do folhetim. Quando ia ao ar logo após Chamas da Vida, Poder Paralelo registrava médias na casa dos 14 pontos. Ao se tornar vizinha da novela mutante de Tiago Santiago, Promessas de Amor, a trama de Lauro César caiu para 10 pontos. Procurado, o autor não quis falar sobre o assunto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.