Fundação Iberê Camargo
Fundação Iberê Camargo

Série rara de Iberê Camargo é exibida

'Tudo te é Falso e Inútil' tem curadoria do pintor Lucas Arruda, que também expõe na Fundação Iberê Camargo

Antonio Gonçalves Filho, O Estado de S. Paulo

27 de dezembro de 2021 | 06h00

Até 13 de fevereiro é possível ver na Fundação Iberê Camargo, em Porto Alegre, uma das séries mais vigorosas do pintor gaúcho que dá nome à instituição, Tudo Te é Falso e Inútil, com curadoria do pintor Lucas Arruda. A exposição reúne obras dos últimos anos de vida de Iberê Camargo (1914-1994), incluindo 14 pinturas e 35 desenhos (esboços preparatórios dessa e outras duas séries, Ciclistas e Idiotas) realizados entre os anos 1990 e 1994. O curador Lucas Arruda também expõe no mesmo prédio da fundação (até 16 de janeiro) suas paisagens da série Lugar Sem Lugar, com curadoria de Lilian Tone.

A mostra Tudo Te é Falso e Inútil é a primeira a exibir juntas as cinco pinturas de grande formato da série homônima. Nem mesmo o pintor as viu reunidas em exposição. Por considerar esses óleos invendáveis (sendo as causas o tema complexo e as dimensões) reservou quatro deles para a coleção da esposa, Maria Coussirat Camargo. Ao morrer, ela legou esse acervo à fundação que leva o nome do marido. A quinta pintura pertence à coleção do empresário Jorge Gerdau.

Portanto, não se trata de nenhuma danação. A série é, de fato, hermética a partir mesmo do título, inspirado por um poema de Fernando Pessoa (Vem, Noite Antiquíssima e Idêntica). Nele, a noite eterna, que viu nascer os deuses, esboça um sorriso triste porque tudo lhe parece falso e inútil. A noite é representada pela cor azul. Em outra série vinculada a esta, Idiotas, a paleta é similar, acentuando a melancólica ingenuidade de seres primevos, que não tomaram consciência do mundo em que vivem. Um homem com a amarga experiência existencial de Iberê Camargo tinha também consciência de seu deslocamento nesse universo.

A pintura do paulistano Lucas Arruda, embora tenha outra natureza, mantém vínculos não só com o cromatismo plúmbeo de Iberê mas com esse espírito de lugares vazios que ganham transcendência por meio da pintura. Lucas, que nasceu em 1983, é hoje um dos grandes nomes de arte brasileira no mercado internacional. Ganhou uma retrospectiva em Kassel, em 2019.l

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.