Sem Rick Wright, reunião do Pink Floyd é mais difícil

Tecladista que morreu anteontem, de câncer, deveria ter seu papel na banda reavaliado, segundo David Gilmour

Jotabê Medeiros, O Estadao de S.Paulo

17 de setembro de 2008 | 00h00

O tecladista Rick Wright, fundador do grupo Pink Floyd (e que compôs um dos seus maiores hits, The Great Gig in the Sky) morto anteontem de câncer, deve ter seu papel como artífice do grupo reavaliado. Foi o que propôs ontem o guitarrista David Gilmour, integrante do grupo que substituiu nos anos 60 o também cantor e guitarrista Syd Barrett (morto de câncer em 2006).Segundo Gilmour, muito da contribuição de Wright para a banda foi esquecida nas discussões sobre o tema, mas ele o considera fundamental. Wright deu vida aos discos mais clássicos da banda com seu "toque tranqüilo", ponderou o guitarrista. "Assim como ele, nunca me foi fácil traduzir meus sentimentos em palavras, porém eu o adorava", afirmou. "Nunca toquei com ninguém como ele".Richard William Wright tinha 65 anos (nasceu em 28 de julho de 1943) e fundou o Pink Floyd ao lado do baterista Nick Mason e do baixista Roger Waters em 1965, quando estudava arquitetura na Regent Street Polytechnic, em Londres. O nome do grupo foi tomado emprestado a dois astros do rhytm?n?blues da época, Pink Anderson e Floyd Council. A banda se tornou uma das mais influentes da história (116 milhões de discos vendidos e 25 anos no topo das paradas).The Great Gig in the Sky é uma canção que influenciou barbaramente pop stars em anos seguintes, como por exemplo o produtor e cantor Moby. A voz feminina gritada ao fundo (a música tem vocal, mas não tem letra), os arranjos orquestrais e um certo tom gospel predominam. Wright também contribuiu para muitas outras composições do grupo em seus anos iniciais, como Paintbox, Remember a Day e Summer 68. Sua voz pode ser ouvida em diversos hits, como a composição Echoes, de 1971, que tem uma duração de 23 minutos. Ele trabalhava mais nas partes musicais, e sua colaboração foi fundamental para a criação de clássicos como Breathe, Time, Meddle, Dark Side of the Moon e Wish You Were Here, assim como no último disco de estúdio do grupo, The Division Bell. Tocava, além do teclado elétrico, sintetizador, trombone, guitarra, violino, sax, violoncelo e vibrafone.No disco The Dark Side of the Moon, gravado em 1973, e que projetou o estilo psicodélico do grupo em todos os recantos do planeta, Wright colaborou diretamente na composição de 5 das 10 faixas, incluindo Us and Them (sobre a qual Roger Waters colocou a letra), e que entrou na trilha do filme Zabriskie Point, de Michelangelo Antonioni.A morte de Wright é um duro golpe nos fãs mais extremados da banda, que alimentam a esperança de vê-la reunida de novo. A banda se separou em 1985. Em 1987, sem o baixista Roger Waters, eles excursionaram e gravaram, mas em 1994 separaram-se de vez. Em 2005, após 24 anos, o núcleo original da banda (sem Syd Barrett, mas com David Gilmour) voltou a tocar junto em uma única ocasião, no festival beneficente Live 8, no Hyde Park, em Londres.No livro Inside out - A Personal History of Pink Floyd, em que conta suas memórias, um dos integrantes da banda, Nick Mason, fala de como o baixista Roger Waters tentou demitir Wright e Gilmour durante as sessões de gravação de The Wall, dando um "gelo" no tecladista.Wright estava casado pela terceira vez desde 1996. Foi para a mulher, Millie, que ele dedicou o disco solo, Broken China. Tiveram um filho, Ben (ele teve ainda dois filhos do primeiro casamento com Juliette Gale).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.