Sedição na ilha - 1

Aproxima-se a passos céleres o dia em que iniciarei minha temporada anual em Itaparica. Fato auspicioso para minhas retinas tão fatigadas, se não fosse pelo também fato de que, em passos igualmente céleres, mais um ano se acrescenta à minha já não tão breve existência. Também não precisava tanta pressa, podia fazer uma pausazinha aqui e ali e não chegar com tanto açodamento. Numa entrevista de televisão, talvez uma de suas últimas, Vittorio Gassman lamentou que a vida não fosse duas: uma para ensaiar, outra para viver de verdade. Tinha razão, é claro. A maior parte das asneiras que fizemos e dos micos que pagamos podia ter sido evitada por um bom ensaio, acho que qualquer um concorda. E, em certos casos mais graves, como o meu, creio que caberiam até mais uns ensaios, acho que não decorei o papel direito.Acrescento a essa acabrunhante observação os comentários de autoria de minha aguerrida comadre Margarida Angélica, que, em inflamada palestra numa rádio da cidade que ela adorna com seu talento e sua bravura, lançou o "Não Precisa Despencar" (Nepedê), com ampla repercussão em todas as camadas da sociedade. Sustenta a comadre que, tudo bem, sejamos mortais, é o destino de nós todos, revertere ad locum tuum, etc. e tal, tudo bem.- Mas precisava despencar? - interrompe-se ela, depois de uma pausa dramática. - Eu vos pergunto, precisava despencar? Como diria Sua Excelência, está certo, vamos todos sífu mais dia menos dia, mas não precisava ir despencando! E, em verdade vos digo, não há parte do corpo que não despenque, por mais que vos mintam em contrário, despenca queixo, despenca barriga, despenca peito, despenca bunda, despenca tudo, é uma devastação! Como já disse, a repercussão positiva foi imediata, com a fundação do Nepedê, que já espalha suas raízes mais ligeiro do que praga de abóbora no sertão. Devem estar corretos os que defendem a sincronia de certas ideias, dir-se-ia uma conjuminação concertada dos astros e demais corpos celestes. Pois, ao escutar a comadre Margarida, não pude deixar de lembrar instantaneamente da campanha que Zecamunista vem desenvolvendo lá na ilha, como consequência de sua liderança na já descrita aqui Fundação para a Defesa da Mulher-Dama Desamparada. O movimento não tem nome ainda, limita-se a gritos de guerra, a maioria dos quais, infelizmente, não posso repetir neste conceituado órgão de imprensa.As idéias de Zecamunista, em relação a esse palpitante (ou tremido mesmo) assunto abrangiam de início um universo bem mais restrito que o do Nedepê. Começaram a ser expostas no já célebre Solilóquio do Cai Tudo, recitado arroubadamente no Bar de Espanha em meio a vasta e atenta plateia masculina e culminado com uma exortação para que todos se unissem em torno do Bolsa Viagra, uma patente expressão da superioridade da condição feminina, que tinha que ser sanada de pronto.- Até nisso elas levam a melhor - começou ele a perorar, mas logo se interrompeu e abaixou a voz um instantinho. - Pode passar alguma senhora aí e então falarei por metáforas. Mas todo mundo vai sacar logo. É o seguinte, até nisso as mulheres levam vantagem. Quando a mulher fica velha, a Patrimonial não abandona ela. Pode ter seus achaques da idade, mas está ali, a postos e leal, junto à dona até o fim. Já quanto ao homem, o Principal escolhe um dia para se aposentar e aí não tem esse bom que consiga que ele se levante para qualquer serviço, exceto os que não requeiram esforço algum. "Mas por favor", diz o dono do infeliz, "uma vezinha só, você não era nenhum craque e menti muito a seu respeito, mas já passamos bons momentos juntos, vamos lá, cara, uma vezinha só, por caridade!". E não acontece nada, pois que todos sabem que, mais cedo ou mais tarde, serão vilmente atraiçoados.Depois de oração tão evocativa quanto inspiradora, já se preparava o anteprojeto para a criação do Bolsa Viagra, quando o próprio Zecamunista, sempre um defensor das minorias e paladino contra as desigualdades sociais, levantou vários pontos de relevância. Também não era justo que as mulheres ficassem sem nada nessa história. Bem verdade que não precisavam de Viagra, mas e outros problemas que privam do prazer nossas camaradas, até mesmo um público consumidor atrasado e sem sofisticação, que acha que mulheres de mais de sessenta estão com a validade vencida? Era indispensável que isso fosse reparado, de forma equânime, justa, moderna e dialética.As últimas notícias (em breve terei outras) já me davam conta de que o projeto avança a olhos vistos. Impôs-se logo a conclusão de que não se deviam fracionar partes que integravam o mesmo todo e, portanto, necessitavam funcionar em harmonia. Chegou a encontrar certo favoritismo a criação do Bolsa Amor, mas Jacob Branco fez um discurso daqueles de arrepiar, taxando a designação de "fresca e elitista". Em nome do povo, que não é fresco nem elitista, ele clamava por nossa sensibilidade: Bolsa Amor, não!Pode ser que o resultado das urnas ainda venha a contradizer esta informação, mas tudo indica que, no plebiscito ora em realização, vai dando Bolsa Créu disparado. Debate mesmo vai ser quanto ao conteúdo dele. Camisinha, claro, sempre mencionada em primeiro lugar. Já em relação a outros objetos, utensílios e práticas, a indefinição ainda vai render muito. Pode parecer simples, mas esse negócio de sexo é sempre complicadíssimo. Quando Zecamunista começou a ouvir opiniões sobre os itens do BC, teve diversas surpresas. A mais notável foi a de uma conterrânea que listou a Voz do Brasil.- Na hora do vamo-qui-vamo, eu gosto muito de ouvir safadagem - explicou ela, ruborizando, mas firme.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.