Sean Penn desponta como favorito ao Oscar

Por sua atuação em Milk - A Voz da Liberdade, ele foi escolhido pelo sindicato dos atores, formado por eleitores da Academia

Ubiratan Brasil, O Estadao de S.Paulo

27 de janeiro de 2009 | 00h00

Os prováveis vencedores do Oscar foram conhecidos no fim de semana, quando o sindicato dos atores e a associação de produtores de cinema e TV americana divulgaram seus favoritos - formadas essencialmente por votantes da Academia, as duas entidades costumam antecipar os nomes que ganharão a desejada estatueta. E, a julgar pelas cerimônias do final de semana, Sean Penn deverá levar o Oscar de ator, por seu trabalho em Milk - A Voz da Liberdade, e o filme Quem Quer Ser um Milionário? é o franco favorito para ser a melhor produção do ano.Penn foi aplaudido de pé pelos colegas, no evento ocorrido na noite de domingo, em Los Angeles. E a certeza de que ele se credencia definitivamente ao Oscar estava estampada nas feições contrariadas de Frank Langella, que concorria pelo seu brilhante trabalho em Frost/Nixon e se viu obrigado a levantar durante o aplauso para evitar um constrangimento.Em Milk - A Voz da Liberdade, Sean Penn vive Harvey Milk, um dos primeiros ativistas que lutaram pelos direitos dos homossexuais. "Mas o filme tem um apelo universal", disse ele. "Atores não interpretam personagens gays ou heterossexuais, mas seres humanos; daí eu estar, junto com a equipe de produção, muito orgulhoso pelo trabalho. Trata-se de uma história de direitos iguais para todos os homens."Crítico habitual de premiações, mas presente à maioria delas, Penn não se preocupou em ser diplomata para declarar abertamente que aquele prêmio deveria ser entregue a Benício Del Toro, por sua atuação em Che. Além do reconhecimento do trabalho do colega, Penn é também um simpatizante de Cuba, o que deve ser levado em consideração ao seu comentário.Outra surpresa foi a premiação de Meryl Streep como melhor atriz, por A Dúvida. Recordista de indicações para o Oscar (com a deste ano, já soma 15), ela arrancou gargalhadas ao confessar, no palco, que nem tinha comprado um vestido à altura de uma premiada. E, ao contrário de Penn, Meryl compartilhou a estatueta com as demais concorrentes. "Estou muito surpresa com o trabalho das atrizes neste ano", afirmou. "Todas ganham quando surgem papéis tão relevantes."A vitória, no entanto, não reforça sua chance para o Oscar, pois o caminho parece cada vez mais pavimentado para finalmente premiar Kate Winslet, vencedora no domingo como atriz coadjuvante por O Leitor, derrubando a espanhola Penélope Cruz. Habituada a ser preterida na maioria das premiações (foram cinco indicações para o Globo de Ouro antes de vencer duplamente neste ano, além de seis para o Oscar), ela finalmente deverá ser reconhecida pela Academia.Já o prêmio para melhor ator coadjuvante foi o esperado: Heath Ledger foi novamente escolhido, por Batman - O Cavaleiro das Trevas. Outra barbada deverá ser a eleição de Quem Quer Ser um Milionário? - afinal, o filme de Danny Boyle foi eleito pela associação de produtores , além de ter seu elenco premiado pelo sindicato dos atores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.