Fernando Bizerra Jr./ EFE
Fernando Bizerra Jr./ EFE

São Paulo ganha exposição com fotos inéditas de Frida Kahlo e Diego Rivera

Imagens, num total de 60, registram momentos marcantes da vida dos pintores mexicanos

Nayara Batschke, EFE

16 Maio 2018 | 13h05

Alguns dos momentos marcantes da vida dos pintores mexicanos Frida Kahlo e Diego Rivera foram imortalizados em uma série de 60 fotografias compiladas em uma exposição que abre as portas a partir desta quarta-feira, 16, em São Paulo, no Centro Paulo Souza.

** Frida Kahlo: 110 anos de uma artista marcada pela dor e pelo próprio mito

O casamento entre ambos, o casal em manifestações políticas e, inclusive, Frida deitada na cama com a perna imobilizada devido às dores que sofria pela poliomielite que contraiu quando era menina são algumas das cenas expostas na mostra Frida e Diego, Fragmentos, inédita no Brasil.

O objetivo da exposição, segundo expressou à Agência Efe uma das organizadoras da mostra, Lucília Guerra, é "resgatar as principais características de dois dos artistas mais emblemáticos da história do México".

"É uma exposição bastante didática. As fotos mostram o trajeto histórico de Frida e Diego e também seu ativismo político, pois eram muito atuantes em um período revolucionário do México", afirmou a coordenadora.

Lucília explicou que as fotografias, algumas tiradas no século 19, pertencem ao acervo pessoal das famílias dos dois pintores, por isso que puderam ser capturados fragmentos da "vida íntima do casal", assim como os momentos compartilhados com o seu círculo mais restrito.

Se a relação entre Frida e Diego não fosse a mais serena - o casal foi protagonista de um "revoltoso amor", nas palavras de Lucília -, as câmeras eternizaram a "ternura e o afeto" mútuo que cultivavam um pelo outro.

"As fotos mostram a ternura, o carinho, o amor meio revoltoso dos dois e explicitam a interdependência emocional que tinham um com o outro", destacou a organizadora.

A organizadora acrescentou que o casal vivia em uma "constante falta de sintonia", pois a relação foi marcada pela contínua "superposição de personalidades".

"Duas pessoas tão singulares como eles, juntas... algo sairia ruim! Mas as obras dos dois são o resultado dessa relação tempestuosa", refletiu Lucília.

E, apesar de todas as ambiguidades do casamento, Frida Kahlo é um ícone inegável da história mexicana, a "referência" de uma mulher "à frente do seu tempo", enfatizou Lucília.

Autora de cerca de 200 pinturas, na maioria autorretratos, a obra da artista se centrou principalmente na sua autobiografia e no seu próprio sofrimento.

No entanto, Frida nunca deixou para trás os princípios sobre os quais construiu a sua vida, por isso que, segundo expressou Guerra, impôs de maneira taxativa "sua personalidade em um momento de escuridão para as mulheres".

"Embora a temática da exposição não seja a sexualidade de Frida ou de Diego, em consonância com a doutrina do Museu Frida Kahlo (México), várias fotografias mostram também os dois com seus outros companheiros sentimentais", afirmou a organizadora.

A exposição, que o público poderá visitar até 13 de julho, também se apresenta com o objetivo de fazer uma "reflexão da própria realidade brasileira".

Além de participar de manifestações populares, a construção de uma consciência política é fundamental. Assim acreditava o casal, segundo apontou Lucília, e, por isso, "sua luta pode ser vista em toda a exposição".

"As pessoas não podem se calar. Inclusive em um momento como o que vivemos no Brasil, é necessário pensar e refletir sobre quem escolheremos para governar", opinou Lucília.

"É necessário conhecimento para que sejam capazes de fazer boas reflexões" e olhar para a "história de outro país e para seus problemas", permite às pessoas "refletirem sobre a própria realidade".

Por isso, defendeu Lucília, transmitir a trajetória de "figuras tão emblemáticas" como Frida Kahlo e Diego Rivera, que "contavam a história a partir de seu sentimento pessoal no momento", é fundamental na hora de construir uma sociedade "culta, diferente e capaz de impulsionar o país adiante".

"A Arte é a forma sublime de contar a história. É contar a história de uma maneira autêntica e fiel à realidade através do sentimento do momento", concluiu a organizadora.

Exposição Frida & Diego - Fragmentos

Centro Paula Souza (CPS)

Rua dos Andradas,140 - Santa Ifigênia - São Paulo - SP2ª a 6ª, 9 às 18 horas

Grátis. Até 13/7. (Agendamento por e-mail: inscricao.arinter@cps.sp.gov.br)


 

 

Mais conteúdo sobre:
Frida KahloDiego Rivera

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.