Horst Merkel/Itaú Cultural
Horst Merkel/Itaú Cultural

Santos Dumont ganha exposição no Itaú Cultural

Mostra que abre no próximo sábado revela traços de um homem que foi bem mais do pai da aviação

Julio Maria, O Estado de S.Paulo

23 de novembro de 2016 | 05h00

Cada palmo acima do chão era um conquista da humanidade naqueles primeiros anos de século 20. Santos-Dumont, primeiro, colocou sua Ave de Rapina entre 2 e 3 metros de altura, por uma distância de 60 metros, surpreendendo as testemunhas do Campo de Bagatelle, em Paris, naquele 23 de outubro de 1906. Poucos dias depois, estaria a impressionantes 6 metros acima da multidão que o aplaudia por seus 220 metros de distância. O homem começava a levantar voo.

Até chegar aos 11 mil metros das aeronaves de hoje, em altitude de cruzeiro, boa parte da humanidade, a que não acredita na versão do pioneirismo dos irmãos Wright, cristalizaria a figura de Alberto Santos-Dumont (1873-1932) como a do inventor do avião. Uma condecoração tão justa quanto limitadora. Dumont, um dos personagens mais ricos na história de seu país, foi maior do que o próprio projeto que fez sair do solo. Desde os primeiros anos de 1900, esse mineiro da cidade de Palmira, atual Santos Dumont, investia em ciência, tinha olhos de designer e garras de empreendedor. O avião foi só a mágica que seu visionarismo materializou.

Uma exposição que começa neste sábado, 26, no Itaú Cultural, dá um grande passo para apresentar esse cientista e inventor de forma mais abrangente. Santos-Dumont na Coleção Brasiliana Itaú lembra dos 110 anos do primeiro voo do 14 Bis para partir em viagem ao centro do aviador. “Queremos desempoeirar Santos-Dumont. A ideia não era fazer só uma exposição com documentos e fotos”, diz Luciana Garbin, curadora da mostra e jornalista do Estado. Serão mais de 400 peças da Coleção Brasiliana expostas pela primeira vez em ambientes com referências temporais.

O público passa primeiro por um check-in, respondendo a duas perguntas sobre a imagem que ele tem de Santos-Dumont. Ao final, depois de passar por todas as salas, ele responde a outras duas perguntas parecidas no check-out. A imersão começa nos anos de infância, na fazenda de Cabangu, no interior de Minas. A inspiração do sexto filho do engenheiro Henrique Dumont por aventuras fantásticas começa no livro Viagens Extraordinárias, de Julio Verne. Seu exemplar de cabeceira está na mostra. Muitas publicações levam o carimbo do leitor “Alberto Dumont”. O tempo passa e a mostra apresenta a ala O Rei de Paris. É para lá que o garoto de 18 anos segue para fazer história, depois de conseguir a emancipação do pai. “O título de herói, infelizmente, distanciou Santos-Dumont dos brasileiros. Ele estava à frente do tempo, ganhou o mundo com a ciência na era em que o Brasil era um país apenas agrícola”, diz Luciana.

Apesar de ter produzido fatos para sentir-se no centro do mundo, Dumont conseguia ver o outro com sensibilidade e diletantismo. Ao vencer o prêmio Deutsch em 1901, contornando a Torre Eiffel com o dirigível n.º 6, dividiu a quantia em dinheiro que recebeu pela conquista em duas partes: metade para seus mecânicos, metade para os pobres. Quando eclodiu a 1.ª Grande Guerra, ofereceu sua casa e seu automóvel às forças armadas francesas. A volta de Dumont ao Brasil ganha outra seção, assim como as homenagens a ele depois da morte.

Além de máquinas voadoras, Alberto Santos-Dumont criou objetos que a humanidade consideraria bem menos importantes. Alguns deles estarão expostos no Itaú Cultural a partir deste sábado, dia 26.

Um lançador de boias para salvar vidas no mar é um deles. Alguns depoimentos diziam que o instrumento, uma espécie de catapulta que lançava a boia em direção ao afogado em potencial, teria conseguido evitar dois afogamentos.

O conversor marciano é outra das peças que levaria seu criador à falência se ele não tivesse se preocupado com objetos mais relevantes. Trata-se de um equipamento de propulsão acoplado nas costas do esquiador que deseja se movimentar na neve.

As pequenas invenções de Santos-Dumont são detalhes curiosos perto das réplicas de seus objetos voadores. A maior delas é a reprodução da Demoiselle, considerado por muitos o melhor projeto concebido pelo inventor. “As pessoas falam muito do 14 Bis, mas a Demoiselle se tornou sua invenção mais estável”, conta Marcos Cuzziol, estudioso do assunto e diretor de inovação do Itaú Cultural.

A réplica da bela Demoiselle, de 5,5 metros de envergadura por 6 metros de comprimento, é uma das emoções na experiência proposta pela mostra. “Antes dela, os protótipos apareciam todos com a cauda na frente, por causa de um acidente com o planador de um inventor que usava a cauda atrás. A Demoiselle deu mais estabilidade para as aeronaves”, diz Cuzziol.

Santos-Dumont, em mais um traço de desapego material, tornou disponível para o mundo os desenhos de sua obra-prima, sem exigir nenhum pagamento de royalties para quem quisesse se aventurar na criação de réplicas. Uma revista norte-americana publicou as plantas e muitos protótipos começaram a surgir inspirados em seus estudos.

Outro dos documentos importantes selecionados da Coleção Brasiliana é um desenho feito por Santos-Dumont um mês e cinco dias antes de sua morte. 

O aviador se enforcou em 1932, aos 59 anos de idade. Uma versão diz que ele cometeu suicídio depois de avistar aviões em combate nos céus do Guarujá em plena Revolução Constitucionalista. No atestado de óbito, no entanto, assinado pelo legista Roberto Catunda, consta como causa da morte um ataque cardíaco. O desenho abre uma interpretação interessante, que vai contra a tese de que Dumont, deprimido, estaria distante dos estudos de mecânica e de suas invenções.

O que permanecem nebulosos são os motivos que teriam levado o aviador a se enforcar. A visão dos aviões de combate o levando ao desespero pode ser uma cena de final de filme comovente, mas nunca foi comprovada. Santos-Dumont já tinha sua glória quando eles surgiram no horizonte.

SANTOS-DUMONT - COLEÇÃO BRASILIANA ITAÚ 

Itaú Cultural. Av. Paulista, 149, tel. 2168-1776/1777. Abertura sáb. (26), às 11h. Entrada gratuita

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.