Santoro, o homem ideal para Jim Carrey

Brasileiro está na comédia gay fora de competição I Love You Phillip Morris

Elaine Guerini, O Estadao de S.Paulo

22 de janeiro de 2009 | 00h00

A primeira aparição de Rodrigo Santoro na comédia gay I Love You Phillip Morris já sugere por que os diretores John Requa e Glenn Ficarra escolheram o ator brasileiro para interpretar o namorado de Jim Carrey. Só mesmo um homem muito bonito para virar a cabeça de Steven Russell (personagem de Carrey), um ex-policial que passa a dar golpes com cartões de crédito para cercar o amado de luxo. Mas a alegria dura pouco, levando-o rapidinho à prisão. "O estilo de vida gay é muito caro", explica Russell, numa das cenas do filme, uma das atrações desta 25ª edição do Festival de Sundance, que termina no domingo.Jimmy, o papel de Santoro, só ganha mais relevância no fim da trama, numa reviravolta dramática. É Jimmy quem influencia Russell a aplicar o maior golpe de sua vida - neste caso, para fugir da cadeia. Ainda assim, a participação do brasileiro é pequena. "Tamanho só é importante para quem analisa o filme ou o personagem. Só vejo a essência", disse Santoro, que desembarcou na gelada Park City (Utah) para promover a comédia ao lado dos diretores, de Carrey e de Ewan McGregor (escalado para viver o Phillip Morris do título, um detento por quem Russell se apaixona na prisão).Com previsão de estreia no Brasil no dia 5 de junho, I Love You Phillip Morris está mais para uma comédia romântica do que para um drama controverso. Nada a ver com o realismo e a crueza de Brokeback Mountain''. Carrey, McGregor e Santoro convencem como homossexuais, mas o humor dá o tom no filme, fazendo o público levar tudo na brincadeira. E pouco se vê de sexo, embora não faltem piadas e situações sugeridas, incluindo uma simulação de sexo oral de McGregor em Carrey num barco, que termina com McGregor cuspindo no mar. Carrey e McGregor se beijam raramente na boca (uma das cenas é na penumbra) e Santoro tem ainda menos momentos de intimidade com Carrey."Mesmo se tivesse beijado Jim Carrey, não teria o que comentar. Beijei Gero Camilo em Carandiru e não lembro como foi, pois estava mergulhado no papel"'', afirmou Santoro. Sua composição de Jimmy começou do zero, independentemente de ele já ter encarnado homossexuais antes. Além da Lady Di, seu personagem em Leonera tem um caso com outro homem e o Xerxes, de 300, é um tipo afeminado. "Não vejo relação, já que Xerxes era assexuado e Ladi Di, um travesti."Requa e Ficarra nem conheciam o trabalho de Santoro no filme de Hector Babenco antes de chamá-lo para o elenco de I Love You Phillip Morris, exibido fora de competição em Sundance - com sessões de público lotadas e muito aplaudidas. "Vi Rodrigo em Simplesmente Amor e em 300. Depois conversei com David Mamet (que o dirigiu em ?Cinturão Vermelho?), que falou muito bem dele"'', contou Ficarra, que dispensou o teste com Santoro. "Rodrigo traz uma inegável humanidade nos olhos."Ficarra ficou impressionado com o comprometimento de Santoro, que emagreceu dez quilos para fazer uma única cena - quando Jimmy aparece pela última vez, muito fragilizado. "Podíamos ter recorrido à maquiagem para mostrar a transformação de Jimmy. Mas senti que precisava perder peso para mudar a minha energia." Santoro se entrosou rapidamente com Carrey no set. "Ele foi acolhedor e generoso comigo. Nós dois ficamos muito tocados com a história", disse o ator, lembrando que o roteiro é baseado em fatos reais. O verdadeiro Steven Russell continua na cadeia, no Texas, onde amarga uma sentença de 144 anos de reclusão. Por conta de suas escapadas anteriores, sempre mirabolantes, ele ficou conhecido como o Houdini das prisões. "Não é um filme gay polêmico. É uma história com profundidade, sentimentos e conflitos."Depois de Park City, Santoro segue para Santa Barbara (Califórnia), onde será um dos jurados no festival de cinema da cidade. Recentemente, ele ainda concluiu a filmagem de The Post Grad Survival Guide, de Vicky Jenson, vivendo um brasileiro que dirige infomerciais em Los Angeles. "Minha vida é uma correria." Para praticar snowboarding em Park City, o ator aproveitou um intervalo, de uma hora, na agenda de entrevistas. "É uma delícia. É como surfar na neve."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.